BNDES aprova R$ 500 mi para estoque de álcool, visando segurar preço da gasolina

O empréstimo a Copersucar trata-se de uma operação indireta, a ser realizada através dos bancos Itaú BBA, Santander Brasil, Bradesco e Safra.

Em linha com os esforços do governo de tentar evitar oscilações fortes do preço do etanol e evitar um contágio à inflação e reduzir a necessidade de importação de gasolina pela Petrobras, o BNDES tem R$ 1 bilhão de crédito para o setor. Nesta sexta-feira (6), aprovou financiamento de R$ 500 milhões à Copersucar, uma das maiores companhias do setor, para ampliar a capacidade de estocagem de álcool combustível.

O objetivo do programa de apoio ao setor é aumentar os estoques e evitar que em períodos de safra ruim de cana ou problemas de usinas elevem os preços do álcool por redução da oferta do combustível. Nesses períodos, a gasolina fica mais vantajosa para o consumidor e a Petrobras tem de importar mais, onerando o caixa da companhia --ainda mais agora com a alta do dólar.

Da dotação de R$ 1 bilhão, o BNDES já firmou empréstimos ou analisa pedidos no valor de R$ 790 milhões. As usinas produtoras de etanol poderão contar ainda com recursos adicionais do Banco do Brasil, também no valor de R$ 1 bilhão para financiar a estocagem de etanol.

O empréstimo a Copersucar trata-se de uma operação indireta, a ser realizada através dos bancos Itaú BBA, Santander Brasil, Bradesco e Safra. Em 2010, a empresa já havia recebido outro financiamento no valor de R$ 190 milhões.

Na última safra, a Copersucar foi responsável por comercializar 7,8 milhões de toneladas de açúcar, para os mercados interno e externo. Esta participação corresponde a 11% do comércio global de açúcar.

Com relação ao mercado de etanol, a empresa comercializou 4,5 bilhões de litros --20% de toda a produção brasileira. Após a recente aquisição da norte-americana Eco-Energy, a Copersucar passou a ser a maior empresa comercializadora de etanol do mundo.