Artigo: Incorporação de rebanhos e melhoramento genético, a missão do corpo técnico da ABCZ

Pertenço ao Conselho Técnico da ABCZ desde 1999, crio PO (puro de origem) há 30 anos e participo de dois programas de melhoramento genético.

Carlos Viacava. Titular da marca CV, foi diretor presidente da ACNB (Associação dos Criadores de Nelore do Brasil) - Foto: Divulgação

Em 2015, a ABCZ registrou em definitivo apenas 37.987 animais de chifre e 4.138 mochos, ou seja, 42.125 machos Nelore, (dados oficiais do site da ABCZ) número muito diminuto quando diante de um rebanho da raça de quase 100 milhões de cabeças da pecuária brasileira, que gera, no mínimo, 20 milhões de machos anualmente, entre os quais muito são utilizados como touros nos nossos rebanhos.

O valioso grupo de técnicos da ABCZ, pessoas competentes, treinadas e dedicadas ao zebu, terá um campo de ação ampliado quando, incorporando rebanhos e orientando criadores quanto ao melhoramento genético, puder contar com o conhecimento profundo dos diversos programas existentes e com a ampliação de rebanhos sem controle pelo registro genealógico, que hoje não constam da programação de suas visitas.

Vejo o corpo técnico da ABCZ visitando novas fazendas, orientando criadores quanto à manejo, melhoramento genético, acasalamentos, nutrição, sanidade, integração lavoura, pecuária e floresta, abrindo uma grande nova frente de trabalho e assumindo o importante papel de melhorar nossa pecuária em busca de maior produtividade e maior capacidade de incrementar as exportações brasileiras de carne e material genético.

Pertenço ao Conselho Técnico da ABCZ desde 1999, crio PO (puro de origem) há 30 anos e participo de dois programas de melhoramento genético. O melhoramento animal teve seu desenvolvimento alavancado pelos avanços da informática, que cresce exponencialmente, juntamente com as novas tecnologias relacionadas à genômica.

A efetiva utilização das técnicas do melhoramento genético animal na pecuária de corte brasileira tem uma breve história de, no máximo, 30 anos. Atualmente, nossa pecuária começa a dar seus primeiros passos no novo mundo da genômica, que, para outros países e outras raças, já se tornou rotina. Hoje, na Austrália e nos Estados Unidos, experimentalmente, já se apartam animais através de biópsia de embriões.

Há dois anos começamos a apresentar as Diferenças Esperadas de Progênies Genômicas (DEPs Genômicas), que são calculadas com base nas informações de genealogia, de peso, perímetro escrotal ou quaisquer outras de interesse para o processo de seleção, como as DEPs tradicionais, mas com a diferença que neste cálculo também são incluídas as informações dos marcadores moleculares dos animais.

O progresso vem