Artigo: Qualidade em toda cadeia não pode cair

Diretores de empresas fornecedoras de autopeças ainda participarão de painel, que discutirá a evolução dos padrões de qualidade na cadeia de produção.

Ingo Pelikan/Mário Guitti - Foto: Divulgação/Assessoria

Não existe mercado que resista à falta de qualidade. Todos os elos da cadeia automotiva precisam ter consciência da importância de preservação desse fator em seus produtos e processos na sua rotina, mas ainda mais em tempos de extrema dificuldade como o atual. Afetadas pela instabilidade econômica, indústrias brasileiras cortam pessoas aqui e reduzem treinamentos ali enquanto outros mercados operam a todo vapor e avançam a braçadas na chamada competição global. 

O setor precisa aumentar os esforços para que, em hipótese alguma, a qualidade de nossa indústria seja prejudicada, mas mantida e aperfeiçoada mesmo em momentos de baixa, afinal o mercado global de veículos não espera, mas responde às nossas chamadas, exigindo cada vez melhores produtos, processos e pessoas. Hoje, por exemplo, empresas com capacidade de exportação conseguem realizar negócios muito em função da qualidade. 

E mais: vamos fazer um exercício de olhar adiante. Na retomada do crescimento, possivelmente postos de trabalho precisarão ser preenchidos. Certamente não será tarefa das mais fáceis. Até as empresas conseguirem ter de volta profissionais especializados, que hoje já migram para outras indústrias ou atividades, e montar equipes com expertises e conhecimentos requeridos, os prejuízos provavelmente sejam maiores do que os ganhos.

Com o objetivo de justamente debater a qualidade como requisito para a competição no mercado global de veículos, lideranças de todos os elos da cadeia