Prefeitura licita meio milhão para compra de caminhonetes de luxo e provoca polêmica na Câmara

A Hilux que a Prefeitura planeja adquirir é uma das versões mais luxuosas deste modelo da montadora Toyota.

Prefeito Marcelo Ascoli e a primeira-dama Ana Lídia - Foto: Divulgação

A licitação, na modalidade pregão presencial, destinada a compra de três caminhonetes luxuosas, ao custo de R$ 523 mil, para uso do prefeito e dos secretários nos seus deslocamentos, gerou polêmica na sessão de ontem (06) da Câmara, com questionamentos dos vereadores da oposição, que não se convenceram com as explicações do Governo.

Segundo o vereador Cledinaldo Cotócio, trata-se apenas de um registro de preço, não havendo obrigação da Prefeitura de comprar de imediato todas as caminhonetes. A Kampai Motors Ltda venceu a licitação, já assinou o contrato de compra e venda dos veículos. O pregão presencial 01/2018 foi realizado no último dia 07 de fevereiro, como só houve uma empresa participante, prevaleceu o preço de referencia de R$ 174.330,33 por veículo.

O valor que será gasto com cada caminhonete, praticamente corresponde ao dinheiro investido pela Prefeitura (R$ 180 mil) na compra de 15 mil peças de uniformes destinadas aos mais de 7.500 alunos das escolas municipais.

A Hilux que a Prefeitura planeja adquirir é uma das versões mais luxuosas deste modelo da montadora Toyota.

Suas especificações estão descritas no edital da licitação. Trata-se de uma pick-up cabine dupla, motor a diesel 2.8; seis marchas; capacidade para transportar cinco pessoas; acendimento automático dos faróis; saída de ar central para os bancos traseiros; banco do motorista com ajuste elétrico; retrovisores externos eletro retratáveis; radio CD player, auto falantes e antenas, TV digital e leitor de DVD, câmera de ré instalada na porta da caçamba com visualização na tela; conexão bluetooth com micro-revestimento dos bancos em couro.

Críticas da oposição

O vereador Carlos Henrique (PDT), que abordou a questão na tribuna da Câmara, avalia como “um despropósito” esta aquisição, diante da situação precária de alguns serviços públicos essenciais em áreas prioritárias, como saúde, educação, assistência social. “Falta remédio nos postos, às crianças sofrem com o calor nas salas de aula, porque a Prefeitura não compra nem ventiladores para as escolas. Enquanto, o senhor prefeito quer desfilar pela cidade num veículo de luxo, com o conforto do ar-condicionado e se distraindo no percurso, ouvindo música com som digital”, criticou.