Lyoto prega respeito a Vitor: 'Se você desmerecer, pode ser surpreendido'

Brasileiro acredita em torcida dividida no UFC Rio contra adversário carioca e diz que negociação para duelo foi simples

- Fotos: Globo Esporte

Responsáveis pelo co-evento principal do UFC Rio 9, dia 12 de maio, Lyoto Machida e Vitor Belfort talvez sejam os atletas mais populares do card e farão um confronto que há anos é esperado pelos fãs de MMA. Se não vivem mais seu auge, os lutadores provaram em seus últimos confrontos que ainda sabem o caminho das vitórias. O Dragão bateu Eryk Anders, em fevereiro, enquanto o Fenômeno superou Nate Marquardt, em junho do ano passado. Ciente do perigo que Belfort ainda pode causar, Machida tratou de pregar respeito ao rival.

- A maneira que eu encaro a luta é a maneira de que ele é o mais perigoso do momento. Me dedico, treino muito e sei que vou enfrentar um cara duro do outro lado. As pessoas às vezes desmerecem e se surpreendem. Se você desmerecer pode ser surpreendido e não quero ser. Quero enfrentar o melhor Vitor - afirmou, em entrevista exclusiva ao Combate.com.

Confira a entrevista com Lyoto Machida:

Como recebeu a notícia da luta com Vitor?

- Eu tinha pedido o Michael Bisping, mas fiquei assim por ser contra brasileiro. Tem tanta gente para lutar, o Vitor é um ídolo, achei que eu pudesse enfrentar um gringo. Mas tudo bem, já que foi oferecida, falei: "Sou profissional e vou aceitar a luta". Fiquei feliz, será uma grande luta, acredito que é um clássico que já poderia ter acontecido no passado, mas, em decorrência de agenda e outros fatores, não aconteceu e agora terá a oportunidade de acontecer

Como foi a negociação?

- Foi uma negociação simples. Perguntaram se eu estava interessado em lutar com ele no Rio, perguntei se tinha chance de ter algo com o Bisping, eles falaram que não, então aceitei a luta com o Belfort. Foi tranquila a negociação.

Te surpreendeu ele aceitar?

- Acho que o Vitor deve ter anailsado que seria uma boa luta, a última dele no UFC, e quis fazer uma luta com um cara também que já foi campeão. Acho que ele pensou que faria sentido. Mas não me surpreendeu, ele é um grande lutador, que enfrentou grandes nomes. O fato de termos treinado juntos no passado faz nós termos muito respeito um pelo outro, pela pessoa, pelo lutador, mas enxergo isso como um fator estritamente profisional.

O que deu errado na sua tentativa de enfrentar o Michael Bisping?

- Não temos muito controle sobre isso. Pedi a luta, mas o UFC falou que não e não entrou em detalhes. Só disse que não ia poder. Falei que tudo bem, pedi outro nome e cogitaram o Vitor, aí fechou.

Que análise você faz do momento atual do Vitor Belfort?

- É difícil analisar outros lutadores desta forma. Acho que o Vitor é sempre perigoso. É um lutador que tem muitos resultados positivos, fez muito pelo esporte. A maneira que eu encaro a luta é a maneira de que ele é o mais perigoso do momento. Me dedico, treino muito e sei que vou enfrentar um cara duro do outro lado. As pessoas às vezes desmerecem e se surpreendem. Se você desmerecer pode ser surpreendido e não quero ser. Quero enfrentar o melhor Vitor. Ele é um lutador completo, difícil dizer onde ele me dá mais brechas, mas vamos medir as técnicas. A minha contra a dele, vamos ver quem acha primeiro a solução, o buraco no jogo do outro, para tentar terminar a luta. Acredito muito no meu trabalho. Dizer onde ele é fraco é difícil, todas as lutas são estratégicas, o Vitor é faixa-preta de jiu-jítsu, tem um boxe muito bom, é um lutador renomado, não dá para dizer ponto fraco dele. Talvez deixe a desejar na parte de atacar pouco e não defender tão bem queda. Somos similares nesse aspecto, mas somos completos e podemos levar perigo em tudo. É uma luta difícil, que exige concentração para poder ter uma grande performance

Do ponto de vista físico e técnico, você se considera em momento melhor que o dele?

- Procuro não me comparar. Vejo o melhor Lyoto possível, procuro explorar o melhor possível, mas de forma alguma me comparo com Vitor ou com outros lutadores. Cada um tem seu momento, forma física e procuro explorar o melhor possível da minha parte.

Como vê o jogo de vocês casando?

- É um jogo muito bom pra mim, ele gosta de lutar em pé também, isso é bom para mim e para o público. Acho que será uma grande luta.

Acha que a torcida estará ao lado de quem no Rio?

- Temos nome no Brasil inteiro. Mesmo no Rio de Janeiro, não podemos dizer que a torcida é do Vitor. Muita gente gosta do meu trabalho também, gosta do meu estilo de luta, de vida, muita gente vai me apoiar também. Acho que a torcida será bem dividida.

Te incomodaria lutar no seu país com torcida contra, já que o Vitor é carioca?

- A gente sempre gosta da torcida do lado. Normalmente, nas vezes que lutei no Brasil, eles sempre estão do meu lado, mas desta vez não terei toda a torcida comigo porque o Vitor tem muita torcida, mas é uma coisa que o brasileiro vai gostar de qualquer forma. Sendo eu, Vitor, quem estiver na frente na hora da luta, quem virar a luta, a torcida vai gostar. Ela quer ver a luta. Lógico que sempre tem um lado que puxa mais, mas nada que não possa impedir de ir para o outro lado. Temos esse lado da torcida, mas com dois brasileiros é difícil.

UFC 224
12 de maio, no Rio de Janeiro
CARD DO EVENTO (até o momento):
Peso-galo: Amanda Nunes x Raquel Pennington
Peso-médio: Vitor Belfort x Lyoto Machida
Peso-médio: Ronaldo Jacaré x Kelvin Gastelum
Peso-médio: Thales Leites x Jack Hermansson
Peso-leve: Davi Ramos x Nick Hein
Peso-meio-médio: Alberto Miná x Ramazan Emeev
Peso-pesado: Júnior Albini x Alexey Oleynik
Peso-médio: Cézar Mutante x Karl Roberson