Wand aproxima Bellator do Brasil e avisa: 'Vou jogar o Rampage por cima do cage'

"Cachorro Louco" afirma que conversa com presidente do Atlético-PR, para levar evento à Arena da Baixada, o deixou otimista e dispara: "O meu sonho é lutar em Curitiba novamente"

Wanderlei Silva x Chael Sonnen na pesagem do Bellator 180 - Foto: Evelyn Rodrigues

Bellator está mais perto de "estrear" no Brasil. É o que diz Wanderlei Silva, peso-médio da organização, e responsável por fazer a ponte entre o evento e a Arena da Baixada, em Curitiba. O brasileiro, que na última sexta-feira se reuniu com Mario Celso Petraglia, presidente do Atlético-PR, quer estrelar uma edição na cidade contra Quinton "Rampage" Jackson, desafeto desde os tempos de Pride e com quem lutou três vezes ao longo da carreira.

Em entrevista exclusiva ao Combate.com, Wanderlei garante que saiu otimista do encontro com o cartola e revelou que o Bellator quer desembarcar em Curitiba no mês de dezembro, quando o estádio do clube estará menos ocupado após o fim do Campeonato Brasileiro.

- Estou tentando que a minha luta seja na Arena da Baixada, contra o Rampage Jackson. Eu quero os dois Pitbulls (Patrício e Patricky) no card, o Rafael Carvalho, que é o campeão dos médios, e o Goiti Yamauchi. O Bellator quer muito vir ao Brasil, e surgiu essa luta com o Rampage, que já lota o estádio. Eu conheci o pessoal da Arena da Baicada, onde teve o UFC que o Werdum lutou. É um pessoal profissional, que está viabilizando, fazendo um baita negócio para trazer o Bellator. Foi um encontro fantástico, o Petraglia me recepcionou muito bem. Ele estava por dentro das notícias, conhece o Bellator, foi receptivo. Ele disse que é só eu aquecer e lutar, porque farão de tudo para o evento acontecer. Estão com a produção engatilhada, tenho certeza que será muito bom trazer ao Brasil e para Curitiba.

Wanderlei Silva, que ganhou duas e perdeu uma contra Rampage, promete nocautear o americano e arremessá-lo por cima do cage circular.

- O nome do Rampage surgiu naturalmente. Ele me olhou torto em um evento recente, e falei para o evento casar minha luta com ele. Ele é o adversário perfeito. Eu ganhei duas, ele ganhou uma na sorte. Nem teve luta, acertou uma no queixo. Quero fazer esse tira-teima. E não poderia ter estreia melhor para o Bellator do que uma luta entre nós. Quero mostrar que sou melhor do que ele. O Rampage é um ícone. Quem não quer ver essa luta ao vivo? É a história do MMA! Vai ter gente do mundo todo para assistir. O Rampage vai ser nocauteado de novo que nem das duas primeiras lutas. Vou jogar o Rampage por cima do cage, para fora do octagon.

O "Cachorro Louco" atuou pela última vez em Curitiba há 18 anos, quando venceu Todd Medina. À época, o anfitrião ainda não tinha a fama que viria a conquistar no Japão, que o tornou um ícone do esporte.

- Todo lutador tem o sonho de, após ficar famoso, lutar na sua cidade de novo. Já conquistei tudo que um lutador pode conquistar na carreira. Sou realizado, fui bicampeão mundial, melhor lutador do mundo, o mais temido, mas nunca mais lutei aqui em Curitiba. E o meu sonho está perto de se realizar. É a oportunidade de realizar esse sonho e mostrar o Wanderlei ao vivo para quem nunca viu. Público tem, vimos isso na luta do Werdum, que vendeu mais de 40 mil ingressos em menos de seis horas. Depois venderam ingresso a R$ 7 mil. Isso mostra o interesse das pessoas em ver esse grande evento ao vivo e trazer para o Brasil. Mais do que trazer o Bellator para o país, quero lutar para o público - declarou o curitibano, cuja última luta se deu na derrota para Chael Sonnen, em 2017, na cidade de Nova York, pelo Bellator 180.