No mesmo dia, cooperativa do Jibóia conquista isenção de ICMS, código de barras e registro no Ministério da Agricultura

Os resultados dos trabalhos já vêm apresentando resultados nos negócios da agroindústria.

- Foto: Divulgação

A agroindústria Sidropolpas, da Cooperativa Mista Familiar da Agricultura e Pecuária (Coopfap), com base no Assentamento Jibóia, oficializou, nesta sexta-feira (23), a implantação do código de barras nas embalagens de polpas de frutas, o registro do Mapa – Ministério do Abastecimento e Pecuária e Agricultura, que permite a comercialização dos produtos em todo o Brasil e, garantiu a isenção do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços dentro do território sul-mato-grossense.

Todos os trabalhos foram viabilizados através do atendimento em Ater – Assistência Técnica e Extensão Rural, da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) e da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

Os resultados dos trabalhos já vêm apresentando resultados nos negócios da agroindústria. Recentemente, a Coopfap, que até então, só tinha a prefeitura do município como cliente passou a comercializar uma fatia da produção de polpas com uma cervejaria de Ouro Preto, estado de Minas Gerais. A empresa mineira utiliza a matéria-prima processada na composição de chopp artesanal.

A primeira remessa da mercadoria foi despachada em avião pela rapidez e preservação da qualidade do produto. “Enviamos um lote com 150 quilos de polpa à cervejaria e, em breve, vamos mandar outro lote de mesmo peso. Eles compram a polpa de maracujá da gente porque é a que eles precisam para a fabricação de uma determinada cerveja. É uma felicidade ver que toda a nossa luta e o nosso trabalho dentro do assentamento Jiboiá vem dando frutos”, afirmou o presidente da cooperativa e agricultor familiar, Alberto de Souza (Buiu).

Para o diretor-presidente da Agraer, André Nogueira, o código de barras facilitará muito a comercialização das polpas de frutas. Ele possibilita a entrada dos produtos da agricultura familiar nos mercados e outros estabelecimentos comerciais e o registro do Mapa torna a agroindústria mais competitiva porque abre um horizonte de possibilidades e o governo do Estado por meio da Agraer e Semagro está à disposição para ajudar a fortalecer a agricultura familiar. Tanto que o código de barras foi viabilizado através de um projeto nosso, o Prove [Programa de Verticalização da Pequena Produção Agropecuária]”, pontuou.

O código de barras é a representação gráfica de uma sequência numérica utilizada para identificar um produto. Originalmente criado para auxiliar os mercados a aumentar a velocidade do processo de verificação na saída de produtos, os códigos de barras são encontrados em praticamente toda a atividade comercial atualmente. “Para o agricultor familiar a criação do código de barras por conta tem um valor alto. Ter o apoio da Agraer foi fundamental e a gente conta muito com o trabalho dos técnicos do escritório de Sidrolândia que estão sempre dispostos a nos ajudar”, disse Buiu.

Só em 2017, a agroindústria Sidropolpas fez a entrega de 5 toneladas de polpa de frutas para a prefeitura. O produto foi todo direcionado para a merenda escolar das escolas urbanas e rurais de Sidrolândia, conforme informações do agricultor familiar  e presidente da Cooperativa. “E, neste começo de ano, a gente já contabilizou 11 toneladas de polpas repassadas à prefeitura. Também, estamos negociando a entrega de 6 toneladas de produtos para a Conab através do PAA [Programa de Aquisição de Alimentos]”, contou.

Além do código de barras, do registro do Mapa e da isenção do ICMS dentro de Mato Grosso do Sul, a cooperativa ainda teve outra conquista, o selo Sipaf – Selo de Identificação da Participação da Agricultura Familiar, que como o próprio nome já diz atesta a origem dos produtos como sendo do campo e de base familiar. A certificação é concedida pela Sead – Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, órgão do governo federal.

“O selo Sipaf favorece o fortalecimento da identidade social da agricultura familiar diante os consumidores, informando e divulgando a presença significativa deste tipo de produção de alimentos e serviços. Lembrando que foi publicada uma nova portaria que determina o prazo de validade para dois anos, com possibilidade de renovação. Antes, o Sipaf tinha validade de cinco anos”, informou a delegada da Sead em MS, Adriana Mansano.

Outro grupo que foi contemplado com a mesma certificação foi a Associação Dorcelina Folador, do assentamento Eldorado I, também de Sidrolândia.

“O Sipaf será usado nas nossas hortaliças e derivados do leite, queijo nozinho, muçarela, queijo fresco e outros produtos. A coordenação nossa é toda feito por mulheres, os homens atuam apenas como associados. Então, enquanto mulher que sou é uma alegria muito grande porque é uma conquista profissional nossa, agricultoras familiares. A Agraer e a Sead têm nos dado muito apoio e, sem dúvida, é um passo importante que damos para a venda dos nossos produtos”, garantiu a agricultora e líder da Associação, Bete Cortez. Coordenada por mulheres a entidade conta, hoje, com 108 associados sendo que o trabalho direto fica a cargo de 68 mulheres. "Aproveitamos o momento e assinamos com as agricultoras o pedido para o selo Sipaf Mulheres Rurais criado para a valorização e o empoderamento do público feminino que vive no campo”, justificou a delegada da Sead.