Hospital do Trauma é inaugurado, mas só deve funcionar 60 dias após receber R$ 6 milhões do governo

A quantia é em parcela única, ou seja, será apenas uma espécie de ajuda para que o HT comece a funcionar e busque ajuda do governo para a manutenção.

Governador e Ministro da Saúde visitam Hospital do Trauma- - Foto: Chico Ribeiro

Apesar da inauguração neste domingo (25), o Hospital do Trauma, em Campo Grande, só deve começar a funcionar em, no mínimo, 60 dias. O anúncio foi feito pelo presidente da Santa Casa, Esacheu Nascimento, durante cerimônia que contou com a presença dos ministros da Saúde Ricardo Barros, e da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

Segundo Nascimento, após receber o valor, o hospital ainda terá que se concentrar em ir em busca de outra parte da estrutura, que envolve equipamentos, médicos e outros profissionais da saúde. Ele ainda afirmou que, nesse tempo, terá que ir atrás de convênio para manter o HT.

Durante discurso Marun disse que os R$ 6 milhões já tinham sido aprovados pelo Ministério da Saúde. A informação foi confirmada por Barros. Apesar do anúncio, a data de quando o dinheiro será liberado para o Hospital do Trauma não foi dita.

A quantia é em parcela única, ou seja, será apenas uma espécie de ajuda para que o HT comece a funcionar e busque ajuda do governo para a manutenção. É que o hospital precisa estar em operação para que o Ministério da Saúde faça uma vistoria e analise a possibilidade de incluir a unidade em um convênio.

Duas décadas de obras

A obra começou há mais de duas décadas, em 1994. O custo inicial era de R$ 8,6 milhões, mas foram gastos quatro milhões a mais devido a adequações exigidas pela vigilancia sanitária. Dinheiro do Ministério da Saúde, Governo do Estado, Prefeitura de Campo Grande e Santa Casa, que ficará responsavel pela administração.

Os cinco centros cirúrgicos que ainda não foram equipados devem receber grande parte da demanda de vítimas de acidente hoje atendidos pela Santa Casa. Das 3.600 cirurgias feitas atualmente, 60% tem como causa os traumas.

No centro de tratamento intensivo as camas hospitalares já foram compradas. Serão 10 leitos e mais dois de isolamento. O hospital informou que vai precisar de mais de R$ 6 milhões por mês pra manter todas estrutura, inclusive a enfermaria e o centro cirúrgico.