Ordem de despejo é cumprida em área que teve morte há dois anos

As áreas fazem parte de 11 propriedades invadidas em junho de 2016, após o confronto entre índios e fazendeiros.

Pessoal de apoio aos índios na entrada das fazendas - Foto: Marciel Arruda / SBT

Policiais Federais, do Batalhão de Choque da Polícia Militar e oficiais de Justiça cumprem desde às 6h desta manhã (9) a ordem de despejo contra dois acampamentos de índios Guarani Kaiowá, em Caarapó. Até um helicóptero da PM sobrevoa a região para dar suporte aos policiais. Ainda não há informação de conflito. 

As áreas fazem parte de 11 propriedades invadidas em junho de 2016, após o confronto entre índios e fazendeiros. O agente de saúde indígena Clodiodi Aquiles de Souza, 23 anos, foi morto a tiros e outros seis índios ficaram feridos. O conflito ocorreu na fazenda Yvu, que segue ocupada.

Os indígenas receberam à ordem de despejo no sábado (dia 7), informando a hora e a data que a ação aconteceria. Na tentativa de evitar a reintegração de posse das áreas, a Funai (Fundação Nacional do Índio) tentou até a última hora derrubar a ordem de despejo entrando com recurso no STF (Supremo Tribunal Federal).

O pedido aguarda a análise da presidente do STF, Cármen Lúcia , desde o dia 9 de março, mas ainda não foi apreciado. Conforme o CIMI (Conselho Indigenista Missionário), a comunidade teme um conflito, mas promete resistência.