Preso em Naviraí, por porte ilegal de arma, acusado de ter executado comerciante em assalto

Júlio Cesar dos Santos Rosa é acusado de ter participado do assalto e ter feito disparo que matou comerciante Paulo Buchanelli.

Júlio Cesar dos Santos Rosa (à esquerda de camisa rosa) foi preso ontem, segunda-feira (9), por porte ilegal de arma - Foto: Divulgação

Foi preso ontem, segunda-feira (9), por porte ilegal de arma, Júlio Cesar dos Santos Rosa, que está com a prisão preventiva decretada, acusado de ter participado do assalto e ter feito o disparo que matou o comerciante Paulo César Buchanelli, executado em frente da agência do Banco do Brasil no último dia 15 de fevereiro.

Júlio, que já era foragido do semiaberto de Campo Grande, foi surpreendido em companhia de outros três comparsas, pela Polícia Militar, quando circulavam num veículo Gol pela Avenida Amélia Fukuda em Naviraí.

Júlio estava em companhia de Paulo Ricardo Santos Oliveira, 29 anos, Alysson Roger Silva Gonçalves, 24 anos e Jhonny Almeida Gonçalves, 28 anos. Ao perceberem a aproximação dos policiais, tentaram fugir, mas acabaram interceptados. Dentro do Gol os policiais encontraram dois revólveres, um com quatro e outro com seis munições.

Além de Júlio, conhecido como Guimê, o latrocínio que resultou na morte do empresário Paulo Cesar, teve a participação do taxista Julialdo Rosa Valhovera (foragido) e Wellesom Sanches Fragozo, que já está preso. 

Guimê foi preso inicialmente em 2014, juntamente com um comparsa, acusados de roubar um malote de R$ 100 mil na porta de um banco. Na ocasião, ele também foi acusado de tráfico de drogas. No latrocínio ele e o comparsa levaram R$ 70 mil.