Treze finais e dez títulos: Fabi lidera o Sesc/RJ na busca por mais uma Superliga

Aos 38 anos, líbero revela que ainda sente "frio na barriga" antes de decisões e projeta duas partidas difíceis contra o Praia Clube: "Sou só uma pecinha nessa engrenagem do Bernardo".

Fabi é uma das principais jogadoras do Sesc/RJ - Foto: Erbs Jr/Sesc-RJ

A larga experiência no voleibol não diminui a ansiedade antes de mais uma decisão. Aos 38 anos, Fabi se prepara para disputar a sua 14ª final de Superliga, a 13ª pelo Sesc/RJ. Até o momento, a líbero tem um currículo impressionante com dez canecos do campeonato mais importante do país. Neste domingo, o Sesc/RJ, de Fabi, inicia a disputa de mais um título da Superliga, dessa vez contra o Praia Clube, que busca o seu primeiro troféu. O jogo 1 da decisão será às 10h, na Arena Carioca 1. A segunda e decisiva partida acontece no dia 15, às 9h, no Sabiazinho, em Uberlândia (MG).

É a minha 13ª final pelo Sesc/RJ. Joguei uma pelo Vasco também. Fui campeã dez vezes. Isso é dedicação, trabalho. Depois que vim para o Sesc/RJ, o Bernardo montou times que sempre chegam. Eu sou só uma peça nisso. Procuro ajudar onde dá. Sei que não sou fundamental, mas procuro ajudar não só dentro da quadra como nas conversas no dia a dia. Sou só uma pecinha pequeninha nessa engrenagem comandada pelo Bernardo - disse a bicampeã olímpica.

Nascida e criada em Irajá, subúrbio do Rio, Fabi iniciou a sua trajetória no vôlei nas categorias de base do Flamengo, seu clube do coração. A líbero de 1,69m passou ainda por Macaé antes de chegar ao Vasco, então dirigido por Isabel Salgado. Pelo clube da Colina, Fabi disputou sua primeira final de Superliga. O adversário foi o arquirrival Flamengo, que derrotou o Cruz-maltino na disputa do título da temporada 2000/01.

A decisão de 2001 foi muito especial, porque foi envolvendo dois clubes de futebol, algo inédito e que nunca se repetiu depois - lembrou Fabi.

Dentre todas as finais disputadas pela líbero, há um gosto especial pela decisão da temporada 2012/13. Na ocasião, Rio e Osasco decidiram o título em jogo único em São Paulo. Melhor para as cariocas, que levaram o troféu com uma virada incrível.

Aquela final foi sensacional, porque a gente saiu perdendo por 2 a 0. Parecia que não daria, mas nós viramos e levamos o título. Vivi muitas histórias bacanas para contar às pessoas nesses 13 anos de Sesc/RJ - destacou.

Fabi acredita que Sesc/RJ e Praia Clube têm tudo para fazer dois jogos equilibrados nos próximos dois domingos. Mesma reconhecendo que o rival vem de uma temporada mais regular, ela acredita em mais um título da equipe carioca.

O Praia fez uma campanha melhor. Eles montaram um time para ser campeão. Esperamos jogar de igual para igual. A batalha nos playoffs foi dura e nós esperamos mais um jogo duro com elas. Mas nós estamos preparadas - frisou.

Sobre o "frio na barriga" nas horas que antecedem a decisão, Fabi foi sincera ao admitir que finais ainda mexem com o seu emocional.

Bate ansiedade sim. Final de Superliga é sempre especial, por mais que eu tenha jogado muitas decisões eu sei que esse momento é frio na barriga e ansiedade. Isso tudo faz parte dos momentos decisivos e é assim que acontece no esporte de alto rendimento - finalizou.

As 13 finais de Superliga de Fabi:

2000/01 - Vasco x Flamengo - Flamengo campeão
2005/06 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/RJ campeão
2006/07 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/RJ campeão
2007/08 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/RJ campeão
2008/09 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/Rj campeão
2009/10 - Sesc/RJ x Osasco - Osasco campeão
2010/11 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/Rj campeão
2011/12 - Sesc/Rj x Osasco - Osasco campeão
2012/13 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/RJ campeão
2013/14 - Sesc/Rj x Sesi-SP - Sesc/RJ campeão
2014/15 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/RJ campeão
2015/16 - Sesc/RJ x Praia Clube - Sesc/RJ campeão
2016/17 - Sesc/RJ x Osasco - Sesc/RJ campeão