Senai vai apresentar ao Governo do Estado as demandas de formação da indústria

O governador Reinaldo Azambuja explicou que os cursos serão oferecidos por meio do programa MedioTec, do Governo Federal.

- Foto: Divulgação/PRF

A Fiems, por meio do Senai, apresentará as principais demandas da indústria de Mato Grosso do Sul em termos de qualificação profissional para que o Governo do Estado elabore cursos direcionados ao setor produtivo. O projeto foi oficialmente lançado nesta quarta-feira (02/05) no “Seminário Educação Profissional Articulada ao Setor Produtivo de MS”, realizado no Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo e contou com a participação do governador Reinaldo Azambuja, secretários estaduais e representantes do setor produtivo, que vão apresentar um panorama de suas necessidades.

“O Senai pretende contribuir mostrando o que é necessário fazer para que o setor empresarial seja atendido, com oferta de mão de obra qualificada que acompanhe as demandas de mercado”, afirmou o diretor-regional do Senai, Jesner Escandolhero, lembrando que a instituição já oferece diversos cursos, da iniciação profissional até a graduação e pós-graduação tecnológica. “Como o Senai já conta com essa expertise, sua metodologia acompanha de forma muito aderente as demandas do setor produtivo”, completou, acrescentando que é preciso destacar, por exemplo, toda a tecnologia e inovação empregada nas indústrias para que elas continuem sendo competitivas.

O governador Reinaldo Azambuja explicou que os cursos serão oferecidos por meio do programa MedioTec, do Governo Federal, e contempla estudantes do Ensino Médio que desejam fazer um curso técnico enquanto ainda não concluíram os estudos, de forma a já terminarem a educação básica preparados para o mercado de trabalho. “Estamos aprofundando as discussões com o setor produtivo e levantando demandas. Vamos olhar as potencialidades regionais de Mato Grosso do Sul, o crescimento de cada setor e a demanda por mão de obra para poder direcionar novos cursos técnicos profissionalizantes que atendam áreas específicas”, disse.

O secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, pontuou a importância do setor produtivo para o sucesso do programa do Governo. “As entidades irão sinalizar para a Secretaria Estadual de Educação quais são as demandas, quais as áreas de formação, e elabore-se um portfólio de cursos. A partir dele, deve ser feito um trabalho de convencimento desses jovens, o que hoje é um grande desafio, porque o aluno do Ensino Médio ainda não vê a educação profissional técnica como um dos caminhos para sua formação, muitas vezes cursa só até o 3º ano”, analisou.

A secretária estadual de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta, emendou que entidades do Sistema S, como o Senai, poderão contribuir com o projeto, utilizando a expertise que já detém na área de qualificação profissional. “Vamos contar com a parceria de entidades, já que o Sistema S já atua com um forte trabalho de oferta desses cursos, e agora o Governo do Estado, também”, finalizou. Já o superintendente do IEL, José Fernando Amaral, destaca a relevância da iniciativa para formação dos jovens. “O IEL entende que é fundamental para o jovem cumprir todas as etapas de sua formação, culminando em um bom emprego”, salientou.

No seminário, as instituições ofertantes dos cursos profissionalizantes que aderiram ao Programa MedioTec apresentarão um panorama da oferta e as perspectivas de novos cursos a serem oferecidos à população sul-mato-grossense. Por fim, os serviços nacionais da aprendizagem da indústria (Senai), do Comércio (Senac) e da Agropecuária (Senar) produzirão um debate acerca da importância da formação profissional para o desenvolvimento socioeconômico do Estado e as demandas associadas a cada sistema.