Pai acusado de prostituir filha de 11 anos conhecia fama de estupradores

Há ainda a suspeita de que crimes do tipo com outras vítimas tenham acontecido.

POliciais militares no momento do atendimento à ocorrência, na Capital - - Foto: Divulgação/Polícia Militar

O pai da menina de 11 anos disse na tarde desta quarta-feira (2), em depoimento à Delegacia Especializada de proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), que sabia da fama de estuprador de um dos dois homens preso pelo abuso da criança, no bairo Dom Antônio Barbosa, região sul da Capital.

Conforme o site apurou, o homem, de 40 anos alegou em sua fala que amigos da igreja evangélica que frequenta junto dos dois acusados, de 56 e 58, mencionaram que um deles "gostava de menina novinha" e era conhecido por "mexer com crianças no bairro."

Apesar da declaração, o pai disse que recebeu R$ 200 dos homens apenas para que a filha fosse cozinhar para eles e que não sabia do crime. Ele será investigado por favorecimento à prostituição infantil. Por enquanto é indiciado apenas por abandono de criança. Ele trabalhava como pedreiro em uma obra feita por um dos acusados.

O delegado Fábio Sampaio, responsável pelo caso, disse que alguns pontos têm de ser esclarecidos. Apesar da prisão em flagrante da dupla pelo estupro, visto pelo policial militar que atendeu a ocorrência, a Polícia Civil quer apurar se procedem as denúncias de vizinhos de que a criança estaria trancada na casa desdxe a última segunda-feira (30/4). E que os estupros aconteciam há mais tempo.

Para isso, testemunhas serão ouvidas, como vizinhos do pai no Jardim Los Angeles, também na região sul. Uma delas é o pastor da igreja evangélica onde o pai conheceu os acusados. Outros fiéis teriam lhe alertado dos estupros e nada foi feito. Há ainda a suspeita de que crimes do tipo com outras vítimas tenham acontecido.

A menina também será ouvida, mas longe da delegacia, com a presença da mãe, com quem morará a partir de agora, e com acompanhamento de psicológos.