Para acomodar grupos rivais, fundação indígena terá dois presidentes e precisa de regulamentação

A nova repartição terá dois presidentes, Otoniel Gabriel e Josimar Gabriel Clementino. Presidentes terão as mesmas atribuições e salário igual.

Otoniel Gabriel e Josimar Gabriel Clementino serão presidentes da Fundação Indígena - Foto: Reprodução/Assessoria de Imprensa

Depois de muita polêmica, manifestações no Paço Municipal, documentos com apoios em duplicidade, enfim, foi encontrada uma solução de consenso entre os grupos rivais para o comando da Fundação Municipal Indígena.

A nova repartição terá dois presidentes, Otoniel Gabriel, apoiado por três dos cinco caciques das aldeias terena de Sidrolândia e Josimar Gabriel Clementino, assessor do vereador Otacir Figueiredo, que articulou junto ao Executivo a criação da autarquia, no âmbito da nova estrutura administrativa. Gringo, como é conhecido, acenou com a possibilidade de deixar a base governista se Josimar não fosse o escolhido.

Os dois presidentes terão as mesmas atribuições e salário igual (R$ 3.200,00). Haverá ainda dois chefes de setor (cada um com salário de R$ 1.900,00) um responsável pela área cultural e desportiva e o outro, se encarregará das ações de apoio à agricultura nas aldeias. Otoniel já teve sua nomeação publicada no dia 26, com validade a partir do dia 1º de maio. A nomeação de Josimar só poderá ser oficializada depois que a Câmara aprovar o projeto de criação do cargo que ocupará (provavelmente de adjunto). O projeto deve ser votado na sessão ordinária desta terça-feira (8).

A Fundação Municipal de Indígena para ser implantada efetivamente ainda depende da regulamentação das suas atividades, como a criação de um conselho fiscal e a disponibilidade de um espaço físico onde funcionará. Neste ano terá um orçamento R$ 350 mil, reservados inicialmente para a Coordenadoria de Assuntos Indígenas, menos de R$ 30 mil por mês. Só o pagamento de salários dos quatro funcionários (dois presidentes e dois chefes de setor), custará R$ 10.200,00. Para 2019, o vereador Gringo vai tentar aprovar dotação de R$ 450 mil.

Controvérsia

A polêmica em torno da escolha do presidente da Fundação se arrastou praticamente ao longo de abril, logo após de sancionada a lei da nova estrutura administrativa. Dia de 6 abril, o grupo do vereador Gringo encaminhou ao prefeito, documento assinado por três caciques (João Figueiredo Filho, da Aldeia Tereré, João Cesar Gabriel, da Aldeia Lagoinha e Aldo Vicente, cacique da Nova Tereré), dando aval para escolha de Josimar Gabriel Clementino.

Uma semana depois, o cacique Aldo Vicente mudou de ideia e retirou seu nome do documento, se juntando aos caciques Adão Custódio (da 10 de Maio) e Genivaldo Campos (da Córrego do Meio), em defesa da nomeação de Otoniel Gabriel. O apoio foi formalizado ao prefeito no dia 27 de abril.