Dia ‘D’ leva 1.181 aos postos de vacinação e cobertura chega a 18,9% em Sidrolândia

Foram aplicadas 1.181 vacinas, elevando de 7 para 18,9% o nível de cobertura, diante de uma população—alvo de 9.926.

- Foto: Reprodução

Sem computar a população indígena (estimada em 1.785 pessoas), no dia “D” da vacinação contra a gripe, realizado no sábado, quase 1.200 pessoas foram aos postos da área urbana e no Quebra Coco que abriram das 7 às 17 horas. Foram aplicadas 1.181 vacinas, elevando de 7 para 18,9% o nível de cobertura, diante de uma população—alvo de 9.926. Até a sexta-feira só tinham sido imunizadas 695 e com o resultado do sábado, este número chegou a 1.876.

No dia “D”, foram vacinadas 400 crianças de seis meses até cinco anos de idade, elevando de 11,82% (377 crianças) para 24,37% a cobertura vacinal (777); 500 idosos, 14% da população-alvo de 3.7070; 99 professores (somando 63% de cobertura, de 203 professores); 134 trabalhadores na saúde (cobertura de 47,46% de um contingente de 670 funcionários).

Para o aposentado Gennes Rocha, de 90 anos, a imunização é fundamental para garantir que saúde permaneça durante o período de inverno na capital federal. “Prefiro usar meu tempo acessando a internet do que em hospitais. Então, todo ano eu tomo a vacina contra a gripe para evitar doenças”, contou.

A dona de casa Maria José Silva, de 45 anos, não está inserida no público-alvo, mas esteve no posto de saúde para levar sua filha Ana Clara, de 3 anos, para se vacinar. “Aproveitamos o dia D para que ela pudesse se vacinar perto de casa e não esperamos nem cinco minutos para receber a dose da vacina”, disse Maria José.

Tratamento

O uso do antiviral fosfato de oseltamivir é indicado para os casos de síndrome respiratória aguda grave e casos de síndrome gripal com condições ou fatores de risco para complicações, de acordo com o Protocolo de Tratamento de Influenza 2017, do Ministério da Saúde. No caso de pacientes com síndrome gripal, sem condições ou fatores de risco para complicações, a prescrição do fosfato de oseltamivir deve ser considerada por avaliação clínica. O tratamento deve ser realizado, preferencialmente, nas primeiras 48h após o início dos sintomas.

Todos os estados estão abastecidos com o medicamento e devem disponibilizá-lo de forma estratégica em suas unidades de saúde. Desde o início deste ano, foram enviados 8,1 milhões de unidades do medicamento oseltamivir aos estados, que estão devidamente abastecidos.