CR7, Salah e tradição: presentes em 22 finais, Real e Liverpool fazem decisão

Gigantes europeus, Merengues e Reds têm, juntos, 17 conquistas e estiveram em 35% de todas as finais. TV Globo e GloboEsporte.com transmitem a partida.

Zidane, em treino na véspera da final: francês ainda não sabe o que é perder em mata-mata de Liga dos Campeões - Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters

Um confronto que vai muito além de Salah x Cristiano Ronaldo. Neste sábado, 17 títulos estarão em campo, no estádio Olímpico de Kiev, na Ucrânia. O Real Madrid, maior campeão da Europa com 12 conquistas, encara o tradicional Liverpool, que volta a disputar uma final depois de 11 anos e tenta a sua sexta conquista de Liga dos Campeões. A decisão deste sábado é a com maior tradição da história.

Apenas um duelo entre Real e Milan teria mais taças – os italianos venceram sete vezes e estão em segundo entre os maiores campeões. Os Reds encontraram o time merengue em uma final anteriormente. Foi em 1981, e os ingleses levaram a melhor: vitória por 1 a 0, com gol de Alan Kennedy.

O Real Madrid tem, neste sábado, a sua 16ª presença, e o Liverpool faz a sua oitava final. Considerando o jogo de 37 anos atrás e a deste ano, ambos foram finalistas em 22 das 62 decisões. Isso corresponde a 35% de todas as finais. Ambos perderam apenas duas vezes: os espanhóis caíram para o Benfica, em 1962, e para o próprio Liverpool, em 1981. Os Reds sucumbiram diante da Juventus, em 1985, e do Milan, em 2007.

As atuais gerações das duas equipes jamais se enfrentaram. E Jurgen Klopp destacou que seu time, o Liverpool, precisa acreditar que tem condições de superar o gigante do continente.

Um segundo antes do jogo, o Real Madrid estará mais confiante que a gente. Isso é normal. Mas o jogo não termina nesse segundo, ele só começa.

Os comandados de Zidane trazem a experiência das duas últimas decisões da Liga dos Campeões. Estão na quarta final das últimas cinco. E vão enfrentar uma equipe que não conta com nenhum jogador que tenha participado de uma partida com tal peso. Entretanto, para o técnico francês, essa diferença não torna o Real Madrid favorito ao título.

Para mim, o futebol é bem assim: você tem duas equipes e tem que saber como pode criar dificuldades ao rival. Vamos tentar sofrer sem a bola, e atacar o rival quando a tiver – ponderou o treinador, em coletiva de imprensa.

Klopp e Zidane têm experiências bem diferentes em finais. O técnico do Real Madrid ganhou duas finais de Champions League em menos de três anos no cargo – nunca perdeu um jogo eliminatório na competição.

O alemão Klop perdeu as últimas cinco finais que disputou: duas Copas da Alemanha, uma Copa da Liga Inglesa, uma Liga Europa e a final da Liga dos Campeões de 2013, pelo Borussia Dortmund, para o Bayern de Munique. Se vencer neste sábado, Zidane pode se tornar o terceiro técnico a ganhar a competição três vezes – assim como Bob Paisley e Carlo Ancelotti. Mas será o primeiro a ganhar em três anos consecutivos. E o rival deste sábado reconhece o feito do francês.

Muitas pessoas pensam que Zidane não tem conhecimentos táticos, falam o mesmo de mim e é curioso que dois treinadores que não tenham ideias táticas cheguem até a final.

Duelo pela Bola de Ouro

O avassalador Cristiano Ronaldo, cinco vezes melhor do mundo e com 15 gols na atual edição, continua como a principal esperança merengue. Está a dois de igualar a sua melhor marca e maior de toda a história da Liga dos Campeões – fez 17 em 2013/14. Mas passou em branco nos dois jogos contra o Bayenr de Munique na semifinal.

Os ingleses acreditam na excelente temporada de Salah que, para muitos, pode virar um candidato forte ao melhor do mundo nesta temporada. O egípcio, ao lado de Roberto Firmino e Sadio Mane marcaram juntos 29 gols na competição, mais do que qualquer trio na história da competição. À frente até do BBC (Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo) ou MSN (Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar).

Quando perguntado sobre uma atenção especial com Mohammed Salah, Marcelo lembrou que o time do Liverpool está fazendo um ótimo momento e o Real precisa estar atendo com todos os jogadores.

Sabemos o que temos que fazer, eu sei exatamente como tenho que jogar. Está claro que fizeram uma grande temporada e são uma grande equipe. Não podemos pensar apenas em dois ou três jogadores – analisou o lateral.