Petroleiros convocam greve por redução dos preços dos combustíveis

Trabalhadores pedem ainda a saída do presidente-executivo da Petrobras, Pedro Parente; paralisação de 72 horas está marcada para começar na quarta-feira

A convocação ocorre em um momento em que o país vive uma crise de abastecimento de combustíveis, por conta dos bloqueios realizados por caminhoneiros - Foto: Vladimir Platonow/Agência Brasil

A Federação Única dos Petroleiros e seus sindicados filiados convocaram uma greve nacional de advertência de 72 horas a partir da quarta-feira, 30, pela redução dos preços dos combustíveis e pela saída do presidente-executivo da Petrobras, Pedro Parente.

A convocação ocorre em um momento em que o país vive uma crise de abastecimento de combustíveis, por conta dos bloqueios realizados por caminhoneiros em greve desde segunda-feira, que pedem a redução do preço do diesel.

Os petroleiros pedem a redução do preço do gás de cozinha e demais combustíveis.

“A atual política de reajuste dos derivados de petróleo, que fez os preços dos combustíveis dispararem, é reflexo direto do maior desmonte da história da Petrobras”, disse a entidade em comunicado.

A Petrobras adotou em meados do ano passado uma política que prevê ajustes nos preços dos combustíveis praticamente diários com base na cotação do preço do petróleo no mercado internacional e do câmbio.

Numa tentativa de acabar com a greve dos caminhoneiros, o governo acertou com a categoria o congelamento dos preços do diesel por 30 dias e reajustes mensais, com a União assumindo o eventual prejuízo da petroleira com a mudança. No entanto, a proposta não foi aceita pela base e agora é negociada uma nova proposta, que prevê o congelamento dos valores por 60 dias.