Distribuidoras dão prioridade a cidades maiores e Sidrolândia continua sem combustível

Só o Auto Posto Global ainda mantém uma reserva para atender as ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.

Só o Auto Posto Global ainda mantém uma reserva para atender as ambulâncias - Foto: Marcos Tomé/Região News

Mesmo após liberação dos estoques disponíveis nas distribuidoras em Campo Grande, que estão deixando as bases sob escolta de militares, Sidrolândia embora esteja a 70 quilômetros da Capital continua desabastecida de combustível. Só o Auto Posto Global ainda mantém uma reserva para atender as ambulâncias do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). 

Há três dias os postos estão com os estoques de gasolina zerados, quando os caminhoneiros passaram a bloquear além da saída para Maracaju, as de Dois Irmãos do Buriti e Campo Grande, nenhum caminhão-tanque chegou para abastecer a cidade. O transporte coletivo está garantido pelo menos nesta segunda-feira (28).

Segundo o empresário Haroldo Calves, as distribuidoras não têm nem previsão de quando vão disponibilizar algum combustível para a cidade. “A gente nem consegue acesso aos sites da companhia para fazer o pedido de compra”, explica o proprietário do Auto Posto Vacaria.

Empresário Haroldo Calves em entrevista ao RN.

“O estoque disponível nas distribuidoras não é suficiente para atender todos os estados. A prioridade são os serviços essenciais”, explica. Sem gás de cozinha, no restaurante e lanchonete que funciona anexo ao posto, a partir de terça-feira não será possível oferecer refeições aos clientes, nem alguns salgados fritos.

Na avaliação de Calves, para que haja o barateamento do preço dos combustíveis, é fundamental reduzir a carga tributária incidente, especialmente sobre a gasolina e o óleo diesel. No caso específico de Mato Grosso do Sul, o Governo cobra, como contribuição ao Fundersul, R$ 0,16 por litro de diesel comercializado e R$ 0,12 na gasolina, quando a margem de lucro dos postos fica em torno de R$ 0,20.