Mercado vê recuperação mais lenta e projeções apontam para PIB 'frustrante' no 1º trimestre

Analistas revisaram estimativas para baixo e projetam alta entre 0,1% e 0,5%.

Promoções no Centro de Cuiabá, Comércio - Foto: TV Centro América

Os indicadores de atividade econômica dos primeiros meses do ano decepcionaram, apontando para uma recuperação mais lenta do que o esperado. As projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) passaram a ser revisadas seguidamente para baixo, e o próprio governo reduziu de 2,97% para 2,5% a previsão de crescimento da economia brasileira em 2018.

Levantamento do G1 com 10 bancos, consultorias e institutos aponta para uma alta entre 0,1% e 0,5% do PIB no 1º trimestre, na comparação com o 4º trimestre, o que sugere uma perda de fôlego da economia neste início de ano, em meio ao elevado desemprego e incerteza política, que têm afetando a confiança e o consumo. Veja gráfico abaixo:

 

Apesar da surpresa provocada pelo resultado do Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, espécie de "prévia" do PIB, queapontou retração de 0,13% no 1º trimestre, a maioria do mercado ainda aposta em PIB acima de zero nos 3 primeiros meses de 2018.

Os números oficiais do PIB do primeiro trimestre serão divulgados nesta quarta-feira (30).

O Produto Interno Bruto é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Em 2017, o PIB teve uma alta de 1%, após dois anos consecutivos de retração. A variação trimestre a trimestre no ano passado foi de 1,3%, 0,6%, 0,2% e 0,1%, do primeiro para o quarto trimestre, respectivamente.

O que mais decepcionou

A economista Alessandra Ribeiro, da Tendências, trabalha com a estimativa de alta de 0,2% do PIB no 1º trimestre. Segundo ela, a perda de velocidade da atividade econômica fica mais explícita na projeção de alta de 1% estimada para a comparação anual, ante o avanço de 2,1% observado no último trimestre de 2017.

"O menor crescimento esperado está calcado, sobretudo, na redução do consumo das famílias, o que interromperia a sequência de quatro altas consecutivas. Tal projeção está associada à desaceleração na trajetória de crescimento da massa de rendimentos, influenciada, principalmente, pelo menor ritmo de geração de vagas no mercado de trabalho, apesar da ampliação da concessão de crédito às pessoas físicas", afirma.
 

A economista Silvia Matos, coordenadora do Boletim Macro/Ibre, da FGV, reduziu a projeção para o PIB do 1º trimestre, de alta de 0,3% para 0,2%. Para a analista, "a maior frustação" foi em serviços e na construção civil. "Já estava ruim e não melhorou no primeiro trimestre. Continuou contraindo", destaca.

O Ibre/FGV estima queda de 0,5% no PIB da indústria, alta de 0,2% em serviços e avanço de 1,6% na agropecuária.

A Tendência, por sua vez, projeta PIB negativo para indústria (-0,2%) e serviços (-0,3%), e alta de 1,3% da agropecuária.

"A frustração quanto ao ritmo de crescimento esperado coloca viés de baixa para expectativa do ano", afirma Ribeiro, que aguarda a divulgação dos números do IBGE para revisar novamente as projeções da consultoria para o PIB em 2018.

As projeções apontam também para uma perda do ritmo de recuperação dos investimentos, que seguem em patamares críticos. A Tendência estima alta de 0,4%, ante avanço de 2% no trimestre anterior. Para o Ibre/FGV, a estimativa é mais baixa, de 0,2%.

"A sensação, que vai ficar mais claro com o resultado do PIB, é que a perda de ímpeto da atividade foi um tanto quanto generalizada. Isso é reflexo da recuperação lenta do consumo das famílias e dos investimentos, que apesar da queda expressiva da taxa Selic, ainda não reagiram como o esperado", afirma Luiz Castelli, economista da consultoria GO Associados
 

Entre os principais fatores que ajudam a explicar o ritmo mais fraco da economia, os economistas citam as incertezas políticas e falta de avanço das reformas, o cenário externo menos favorável, o custo do crédito ainda alto mesmo com a queda forte da taxa básica de juros e, sobretudo, o alto desemprego e os 27,7 milhões de trabalhadores subutilizados.

O economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, destaca que o número de brasileiros ocupados aumentou, mas com características que não sugerem recuperação consistente. Ele cita quatro motivos para isso:

  1. A ocupação tem crescido nas atividades por conta própria e nas atividades informais.
  2. A contratação com carteira assinada continua caindo.
  3. O rendimento da ocupação que está crescendo é mais baixo do que o da que está caindo.
  4. Os indicadores sugerem que as empresas não estão convencidas de que devem contratar.

"A soma de tudo, adicionada ao excesso de capacidade quase que generalizado, explica o fraco desempenho do investimento, mesmo com taxas de juros reais bastante baixas para nossos padrões", afirma.