Cármen Lúcia cita 'grave momento' político e social e diz que 'democracia é único caminho legítimo'

Ministra não mencionou diretamente pedidos de intervenção militar feitos esteira da greve de caminhoneiros. Segundo ela, um 'regime sem direitos' é um passado 'que não se pode esquecer'.

- Foto: Divulgação

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, abriu a sessão da Corte nesta quarta-feira (30) com um pronunciamento em que citou o "grave momento" político e social pelo qual passa o país e fez uma defesa da democracia. Ela ressaltou que a democracia "é o único caminho legítimo" para a o país buscar as soluções de seus problemas.

A ministra não citou diretamente a paralisação dos caminhoneiros, que bloquearam rodovias em todo país nos últimos dias, numa reivindicação por preços mais baixos para o diesel, entre outros pleitos.

Na esteira do movimento dos caminhoneiros, manifestantes em alguns pontos no país exibiram nos últimos dias faixas e cartazes pedindo intervenção militar.

"Também as democracias vivem crises", disse Cármen. "Dificuldades se resolvem com alianças da sociedade, razoabilidade [...] Não há escolha de caminho. A democracia é o único caminho legítimo", completou a ministra.

"A democracia não está em questão, O direito brasileiro oferece soluções para o quadro vivido pelo povo", ressaltou.