Prefeitura projeta perda de R$ 1 milhão com greve dos caminhoneiros

O quadrimestre fechou com R$ 41 milhões de despesas já efetivadas e R$ 38,9 milhões, quitadas.

Secretário de Fazenda, Renato da Silva Santos - Foto: Marcos Tomé/Região News

Os 10 dias de greve dos caminhoneiros, que provocaram desabastecimento e abalaram a atividade econômica do País inteiro, vai impactar as contas de junho da Prefeitura de Sidrolândia que projeta queda de R$ 1 milhão nas receitas deste mês, o que vai exigir uma forte contenção dos gastos, para manter as contas equilibradas e principalmente, o pagamento em dia dos servidores. 

Este valor corresponde aproximadamente a 13% da receita líquida mensal, em torno de R$ 7,3 milhões, sendo que a só a folha de pagamento (com encargos) supera os R$ 6 milhões, o restante é praticamente para o custeio, sobrando muito pouco para investimento.

Pelas contas do secretário de Fazenda, Renato da Silva Santos, com base nas projeções do próprio Governo do Estado, o repasse de ICMS deve cair R$ 800 mil, o que corresponde a 25% do valor recebido em abril (R$ 3.115.959,23), último dado disponível no portal da transparência. Pelas contas do governador Reinaldo Azambuja, o tesouro estadual perdeu R$ 170 milhões com a paralisação dos caminhoneiros. A perda com o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), deve ficar em torno de R$ 200 mil.

A Prefeitura tem uma receita própria muita pequena, mesmo tendo obtido um incremento de 20% na receita de IPTU deste ano, reflexo da redução de até 60% no valor do imposto e ampliação para 30% do desconto no pagamento à vista. De janeiro a abril, conforme o último relatório de gestão fiscal, a receita líquida com impostos (basicamente IPTU e ISSQN), somou R$ 6,6 milhões, praticamente o suficiente para pagar uma folha de pagamento. Já as transferências (FPM, ICMS, IPVA), somaram R$ 24,7 milhões.

As despesas com pessoal e encargos somaram R$ 25,9 milhões, enquanto os investimentos, mal chegaram a R$ 381 mil e as despesas de custeio, R$ 12,2 milhões. O quadrimestre fechou com R$ 41 milhões de despesas liquidadas (já efetivadas) e R$ 38,9 milhões, quitadas, ou seja, R$ 2 milhões de débitos foram empurrados para pagamento no mês seguinte.