Hemorragia foi provocada por pílula, diz advogado de suspeito por estupro

A defesa nega que tenha ocorrido relação sexual sem consentimento da jovem na tarde de ontem

Edgar de Souza Gomes, advogado do comerciante, de 23 anos, suspeito de ter estuprado uma menina de 14 anos na Vila Aimoré, em Campo Grande, afirmou que o sangramento da adolescente foi uma reação após a menina ter ingerido a pílula do dia seguinte, método contraceptivo para evitar gravidez.

A defesa nega que tenha ocorrido relação sexual sem consentimento da jovem na tarde de ontem. “As evidências são claras de que nada aconteceu”.

Segundo ele, uma caixa do contraceptivo foi encontrada no local onde teria ocorrido a relação sexual. Mas ele admitiu que os dois já haviam se encontrado anteriormente. O advogado também garante que a mãe da jovem tinha conhecimento do relacionamento.

Na versão do advogado, a perícia encontrou um aparelho celular com uma chamada gravada pela mãe falando que a menina chegaria mais tarde em casa porque estava com o comerciante.

O suspeito foi preso na terça-feira (6) após denúncia de estupro. Segundo o pai, ela apareceu em casa “coberta de sangue”. Por conta da forte hemorragia, a família acionou o Corpo de Bombeiros e em seguida o comerciante foi preso em flagrante.

O rapaz passou a noite em uma cela da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) e hoje enfrentou audiência de custódia, mas a Justiça decidiu mantê-lo preso.

Informações apontam que os dois teriam se conhecido pela internet e conversado por cerca de duas semanas. 

O caso é investigado pela DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente).