Garota morreu a pedradas ao ameaçar contar traição a namorada de assassino

O assassinato ocorreu dois dias antes, no dia 29 de maio, logo após uma reunião de amigos.

Imagem divulgada pela Polícia Civil nesta manhã. - Foto: Deam/Polícia Civil

Investigação da Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher) de Campo Grande localizou e prendeu o suspeito de matar a pedradas uma adolescente de 15 anos. Em depoimento, Felipe Castro Souza, de 23 anos. disse que transou com a vítima e a assassinou depois que a jovem ameaçou contar sobre a traição à sua namorada. No entanto, resultado da perícia, concluiu que a vítima foi estuprada, estrangulada e apedrejada. Imagens de câmeras de segurança ajudaram na identificação do autor.

O corpo da adolescente, que não teve o nome revelado pela Polícia Civil, foi encontrado em estado de decomposição no último dia 31 de maio, em um matagal às margens da Avenida Nasri Siufi, no bairro Tijuca. O assassinato ocorreu dois dias antes, no dia 29 de maio, logo após uma reunião de amigos.

No dia em que o corpo foi localizado, os policiais já tinham encontrado no local indícios suficientes de que a vítima tinha sido estuprada e apedrejada. Foram coletadas digitais, mas o primeiro empecilho encontrado pela Perícia foi a falta de RG (Registro Geral) em Mato Grosso do Sul. O segundo empecilho foi o avançado estado de decomposição no rosto.

A terceira barreira na identificação, foi uma confirmação negativa de uma família, que confirmou o parentesco, mas depois voltou atrás. Por fim, 48 horas depois do achado, os verdadeiros pais confirmaram a identidade da menina, através de piercings, roupas que tinha saído de casa, cicatrizes antigas e um dente quebrado. Foram realizados exames de DNA, mas não restaram dúvidas do parentesco.

Assim que a vítima foi identificada, equipe do SIG (Sistema de Investigações Gerais) da Polícia Civil iniciou buscas aos suspeitos e chegaram a informação de a jovem teria participado de uma reunião com amigos no dia 29 de maio, dois dias antes do corpo ser encontrado.

Ainda conforme apurado pela polícia, a jovem teria deixado o local na garupa de uma bicicleta, confirmado por gravação de circuito de segurança de casas da região.

Felipe aparece nas imagens com o mesmo boné encontrado pelos policiais no local do crime. O jovem foi localizado em uma fazenda que trabalhava em Terenos, a 28 km de Campo Grande.

À polícia, o jovem afirmou ter mantido relações sexuais garota, de forma consentida, e confessou o assassinato. Em depoimento, Felipe alegou que a adolescente queria namorá-lo e ameaçou revelar a traição a sua atual namorada. Além disso, suspeito ressaltou que o estopim para o homicídio foi quando a adolescente teria dito ser mportadora do vírus HIV.

A delegada Fernanda Félix, responsável pelo caso, ressalta que a polícia não acredita na versão apresentada pelo suspeito. “Ele diz que estava sob o efeito de droga e que pegou uma pedra e desferiu dois golpes nela e depois fugiu”, disse.

Ainda durante a coletiva da Deam, na manhã desta quinta-feira (7), a delegada Ariene Murad, recebeu a informação da perícia de que as causas da morte da adolescente foram estrangulamento e pedradas.

Diferente da versão dos amigos, a adolescente não estava grávida. Também não havia registro de desaparecimento da garota, porque segundo os pais, era comum a vítima deixar a casa e só retornar dois ou três dias depois e, por isso, não estranharam a ausência.

Felipe responderá por homicídio qualificado por motivo torpe, meio cruel, que impossibilitou a defesa da vítima e por feminicídio. Somadas, as penas podem chegar a 40 anos de prisão.

Casos contra a mulher - Neste ano, foram registrados três feminicídios e 53 estupros, até a data de hoje. No mesmo período ocorreram 57 estupros em 2017.

Assista ao momento que a vítima deixa reunião com amigos na garupa do assassino: