Superávit da balança comercial em MS atinge US$ 1,2 bi de janeiro a maio puxado pela soja e celulose

A soja respondeu por 36,25% do volume total exportado e a celulose contribuiu com 31,37%.

- Foto: Rural Pecuária

O desempenho da soja e celulose de Mato Grosso do Sul no mercado externo contribuiu para um superávit da balança comercial no valor de US$ 1,2 bilhão no acumulado de janeiro a maio de 2018. De acordo com as informações compiladas na Carta de Conjuntura o Setor Externo elaborada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), somente no mês de maio, o superávit foi e US$ 420 milhões.

De janeiro a maio de 2018 foram exportados 2.156.308 de toneladas de soja em grão, 4,23% a mais do que o registrado em igual período do ano passado. Já o crescimento da celulose nos cinco primeiros meses deste ano foi de 87,63%, com 1.634.137 toneladas. O minério de ferro vem obtendo aumentos expressivos e de janeiro a maio de 2018 registrou um aumento de 78,61% comparado com o mesmo período do ano passado, embora em termos de volume exportado o aumento foi de 4,97%. Clique aqui para fazer o download da Carta de Conjuntura.

O secretário Jaime Verruck, da Semagro, destaca que “o primeiro fato a ser observado nesse resultado é a taxa de câmbio, que no mês de maio foi de R$ 3,63 na média, 6,56% acima de abril e 13,3% acima de maio do ano passado. Esse é um fator que melhora a remuneração da exportação, já que a desvalorização da moeda brasileira tem sido constante e acima da inflação”.

Com relação à pauta de exportação, “a soja respondeu por 36,25% do volume total exportado no mês de maio e a celulose contribuiu com 31,37%, aumentando a concentração nesses dois produtos. Outro resultado positivo é o do minério, que impacta diretamente em Corumbá. O crescimento nessas exportações tem se sustentado de forma lenta, mas consistente. Já na exportação de carnes de aves, como esperado, tivemos uma queda em função da suspensão das exportações de várias plantas industriais”, comenta.

Outro destaque feito pelo titular da Semagro foi com relação ao mercado de açúcar, “que vem perdendo espaço na pauta de exportações e já há desta safra um direcionamento para produção de etanol. Como saída de produtos temos expectativa de aumento da exportação pelo porto de Porto Murtinho com 300 mil toneladas a serem embarcadas de soja e o porto de Ladário que deve exportar mais de 70 mil toneladas em 2018, ambos com destino para Argentina, que tem se tornado um player importante na aquisição de soja sul-mato-grossense”, finaliza.

O município de Três Lagoas permanece como principal exportador para o exterior concentrando praticamente metade dos valores exportados, cerca de 48%, apresentando crescimento de 83,88% em relação ao mesmo período do ano passado. Em termos de destino das exportações há uma concentração nas exportações para a China, representando de janeiro a maio de 2018, cerca de 49,92% do valor total das exportações. Os países com maior aumento na participação foram: Uruguai (1.662,72%) e Irã (151,84%). A maior queda foi registrada para os Estados Unidos, com baixa de 4,31% nas exportações em relação de janeiro a maio de 2017. A concentração nos dez maiores destinos das exportações passou de 70,87% para 80,15% de janeiro a maio de 2018, se comparado ao mesmo período do ano passado.