Brasil acerta a mão no saque, passa por cima da Rússia e vira líder na Liga

Com bela atuação, equipe vence russos por 3 sets a 1 e segura gigante Muserskiy, assombração da final olímpica de 2012. Seleção assume ponta da tabela e enfrenta Irã neste sábado

- Foto: Globo Esporte

Por um momento, foi fácil demais. Do outro lado, um rival que já causou traumas. O Brasil, porém, quis deixar qualquer memória ruim para trás e resolver logo a situação. A Rússia, aos poucos, acordou, mas a seleção soube ter calma para se manter à frente. Em uma bela atuação, a seleção acertou a mão no saque e dominou a Rússia na abertura da terceira semana da Liga das Nações. O gigante Dmitriy Muserskiy, algoz na final olímpica em 2012, pouco pôde fazer. Em 3 sets a 1, parciais 25/21, 25/20, 25/27 e 25/18, os campeões olímpicos dominaram os donos da casa na cidade de Ufa.

A vitória faz o Brasil pular para a liderança da Liga das Nações, com 18 pontos. A seleção passou a Polônia, que somou apenas dois pontos na vitória por 3 sets a 2 sobre a Itália e chegou a 17. A equipe brasileira volta à quadra neste sábado, 8h30, para enfrentar o Irã. O SporTV 2 transmite a partida ao vivo, e o GloboEsporte.com acompanha em Tempo Real.

Foi a sexta vitória seguida dos brasileiros contra os russos - a última derrota foi em 2013, na Copa dos Campeões. Wallace, com 22 pontos, foi o maior pontuador. Maurício Borges, com 17, e Isac, com 12, brilharam. Douglas Souza, também com 12 pontos, fez sua melhor partida na competição até aqui. Do lado de lá, Bakun foi a principal arma russa, com 20 pontos. Kliuka fez 11, e Muserskyi, instável na partida, fechou com 10.
 
Início avassalador e vitória no fim

O saque preciso de Douglas Souza abriu o placar e animou. Muserskiy, porém, logo apareceu para lembrar que a situação não podia ser tão simples assim. O gigante russo voltou a dar o mesmo recado de forma sutil pouco depois. Quando Wallace tentou a largadinha, o central nem precisou pular para devolver a bola para o outro lado. O oposto insistiu, mas na pancada. Funcionou. Mas era um jogo lá e cá. O Brasil foi o primeiro a conseguir abrir dois pontos de vantagem, 15/13. Na reta final, Maurício Borges marcou dois aces em sequência, e a seleção fez 24/20. Foi Isac quem fechou a conta, no bloqueio: 25/21.

O início do segundo set foi ainda melhor. Lucão, em ace, abriu 3 a 0 na contagem. A seleção tinha o domínio do jogo e também contava com a sorte. No saque de Wallace, o juiz viu bola fora, mas Renan pediu desafio. Tinha razão, e o Brasil abriu 10/5. A Rússia até conseguiu encostar pelos ataques de Bakun, mas os campeões olímpicos voltaram a disparar. O erro de Muserskiy no saque fez o time de Renan Dal Zotto ampliar a vantagem na partida: 25/20.

 

O Brasil, porém, não se abateu. Logo no início do quarto set, a seleção disparou. Se o saque era a principal arma até então, o bloqueio também apareceu. Douglas Souza, em seu melhor jogo na Liga das Nações até aqui, também se impôs, e a equipe abriu 17/10. O caminho rumo à vitória estava tranquilo. Tão tranquilo que, no fim, o time de Renan Dal Zoto tinha sete match points a seu favor. Os russos conseguiram evitar apenas um. No ataque de Douglas Souza, o bloqueio foi para fora, e o Brasil fechou: 25/18.