Apoio de Temer ou de FHC tem mais rejeição que o de Lula

65% dos entrevistados não votaria em um candidato apoiado pelo tucano; 92% disseram não votar em alguém com suporte do emedebista.

Presidente Michel Temer e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso - Foto: Dida Sampaio/Estadão-Jornal de Alagoas

Se 51% dos entrevistados pelo Datafolha declararam rejeitar um candidato apoiado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o prestígio de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Michel Temer (MDB) estão ainda mais em baixa. É o que mostra a pesquisa divulgada neste domingo.

A situação de FHC não é tão crítica quanto à do emedebista. Apesar de 65% dizerem que não votariam em um candidato apoiado por ele, o grão-tucano ainda tem poder de transferir cerca de 32% dos votos para um postulante, entre os que com certeza (10%) ou talvez (22%) o seguiriam.

Migração

Não incluída entre as opções apresentadas para um apoio do ex-presidente, a ex-senadora Marina Silva (Rede) é a principal herdeira dos votos do petista. Nos três cenários em que Lula não é candidato, ela oscila entre 17% e 18% de preferência dos lulistas.

Está no limite da margem de erro com o próprio Ciro Gomes, que receberia de 13% a 15%. A nova pesquisa indica ainda que a maior parte dos eleitores de Lula desistiria de votar em algum candidato se o ex-presidente não estivesse entre os postulantes. O número é de 38% a 40% do total dos optantes por ele.

Os dois nomes mais cotados para o “plano B” do PT também não empolgam, até o momento, esse eleitor. Fernando Haddad e Jaques Wagner tem apenas 2% dos votos dos optantes por Lula. Eles perdem até mesmo para Jair Bolsonaro (PSL), que tem 6% das intenções de voto dos eleitores lulistas.

A pesquisa Datafolha contratada pela “Empresa Folha da Manhã S/A” ouviu 2.824 pessoas entre os dias 6 e 7 de junho de 2018. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança estimado é de 95%. O levantamento está registrado junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-05110/2018.