Sidrolandenses se concentram na Praça para assistir jogo da seleção, mas resultado não empolga

Quem saiu da casa para assistir à partida em praça pública, não se arrependeu; pode acompanhar o embate num painel de “led gigante”.

Sidrolandenses se concentram na Praça para assistir jogo da seleção - Foto: Marcos Tomé/Região News

Em Sidrolândia o jogo de estreia da seleção brasileira contra a Suíça na Copa do Mundo da Rússia, reuniu centenas de torcedores na Praça Porfirio de Brito, no centro da cidade. Quem saiu de casa para assistir à partida em praça pública, não se arrependeu; pode acompanhar o embate num painel de “led gigante”, montado numa cobertura de palco.

O empate em 1 x 1 não empolgou os torcedores que esperavam a vitória do Brasil. “Estávamos prontos para comemorar a vitória numa carreata pela cidade, mas não foi desta vez”, conta José Silveira, de 32 anos, que estava acompanhado da esposa e amigos. O evento foi organizado pela emissora de rádio do Grupo Feitosa de Comunicação, a Jota FM.

Telão de led foi montado na Praça Porfirio de Brito para torcedores assistirem a primeira partida da seleção.

Felipe Feitosa, um dos diretores do grupo contou ao RN, que o evento faz parte de um quadro da emissora denominado de Torcida Brasil. Ele explica que não houve a participação financeira da Prefeitura para viabilizar a transmissão, já que os custos ultrapassaram R$ 20 mil. “É importante que as pessoas saibam que este evento só está sendo possível graças à participação dos parceiros, ou seja, empresários que acreditaram e compraram a ideia”, lembra.

O Governo do Estado garantiu o show do cantor, Lorenzo Castro, já as despesas com a locação do painel de led, som e palco, foram custeadas por patrocinadores. O cantor Renan e DJ Cris Costa também foram atrações durante o evento. Para o torcedor tudo foi motivo de festa. O militar, Wericlis Valdez, de 19 anos, estava acompanhado da namorada, Carina Souza (17).

Animado, o casal acompanhou todo o jogo da praça central. Assim como todo brasileiro, esperavam um resultado melhor, mas “o empate é melhor que a derrota”, se conforma. “Meu palpite era que a Seleção ganhasse de pelo menos 2 x 0” argumenta. Daniela Amaro, de 19 anos, foi um pouco mais otimista; “Tinha que ser 3 x 0”, dispara.

No intervalo do jogo houve sorteio de vários prêmios, além de brincadeiras. “Foi um domingo alegre, diferente”, comemora Felipe Feitosa, para quem apesar do cansaço, diz ter valido a pena. Na próxima sexta-feira, quando o Brasil enfrenta Costa Rica, a mesma estrutura será montada em Caarapó e Cassilândia.