Mato Grosso do Sul bate recorde na contratação do FCO em cinco meses de 2018

Os números mostram que no mesmo período de 2017 as contratações da linha de crédito por MS somavam R$ 372,3 milhões.

Presidente do CEIF-FCO (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis do FCO), Jaime Verruck - Foto: Priscilla Peres

Mato Grosso do Sul contratou R$ 892 milhões em recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) de janeiro a maio de 2018. O número representa um recorde histórico para o período no Estado e demonstra empenho e agilidade na análise de projetos.

Os números mostram que no mesmo período de 2017 as contratações da linha de crédito por MS somavam R$ 372,3 milhões. Em 2016 eram R$ 210,1 milhões e em 2015, R$ 522,8 milhões. No Estado, a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) é a responsável pela administração do fundo de incentivo ao desenvolvimento.

Para o secretário da pasta e presidente do CEIF-FCO (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis do FCO), Jaime Verruck, o resultado advém do trabalho de divulgação feito em conjunto pelas instituições envolvidas, aliado à atuação para que a linha de crédito beneficie o máximo de pessoas.

“Entendemos que esse resultado é baseado na antecipação de projetos no segmento rural, antecedendo a mudança na cobrança dos juros. Mas, mesmo com os empecilhos deste ano, o empresarial apresenta bons resultados para o período, o que eleva as expectativas para alcançar 100% da contratação dos recursos disponíveis”, afirma.

Em 2018, Mato Grosso do Sul tem R$ 2,2 bilhões em recursos do FCO para contratação dos segmentos rural e empresarial. Nos cinco primeiros meses do ano, os itens mais financiados são máquinas e equipamentos, armazenamento, correção de solo e ações para integração lavoura-pecuária-floresta.

Jaime Verruck destaca ainda que os recursos têm sido usados em segmentos essenciais da economia estadual, como o déficit na armazenagem e as correções de solo. “Os produtores perceberam das necessidades e estão usando a linha de crédito para isso”.

O superintendente do Banco do Brasil em Mato Grosso do Sul, Glaucio Zanettin, afirma que os números são resultados de sequentes investimentos na melhoria e racionalização dos processos, inclusive com uso de inteligência cognitiva para qualificação da originação dos projetos e consultoria aos nossos clientes em toda Rede.

“Foram criados 154 novos postos de trabalho voltados para isso e dada continuidade no atendimento com ênfase para a transformação e implantação de unidades especializadas em atendimento ao agronegócio e pessoas jurídicas”, afirma o superintendente.