Jungmann rebate pedido do Estado para indenização de presos por tráfico

Segundo secretário de segurança, R$ 11 milhões por mês são gastos.

Jungmann rebate pedido do Estado para indenização de presos por tráfico - Foto: Álvaro Rezende / Correio do Estado

Ministro de Segurança, Raul Jungmann rebateu o pedido de ressarcimento dos R$ 132 milhões gastos por ano feito pelo secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Antonio Carlos Videira, durante Fórum Permanente de Segurança na Fronteira, realizado nesta quinta-feira (19), em Campo Grande. “Já pensou se os outros estados também cobrassem por presos de MS que estão lá? Não há base legal sobre isso”, justificou o ministro.

Mesmo alegando que não há amparo legal, Jungmann reconsiderou sua fala e terminou dizendo que existe possibilidade de o Estado ser ressarcido dos gastos destinados à segurança pública, já que, considerando raio de 150 quilômetros a partir da linha internacional com a Bolívia e com o Paraguai, pelo menos 44 dos 79 municípios sul-mato-grossenses são afetados diretamente pela criminalidade. 

O cenário de violência, principalmente na faixa entre Brasil e Paraguai, é reflexo da falta de investimento do Governo Federal, que precarizou as condições das forças policiais federais, aliada ao avanço das facções criminosas que disputam o tráfico de armas, de drogas e o contrabando na região.

O ministro também considerou o corte de, quase da metade, dos recursos destinados ao Sistema Integrado de Movimento de Fronteira (Sisfron). Para justificar a falta de recursos federais designados para conflitos de fronteira, Jungmann disse situação fiscal “é muito difícil”. “Não fizemos as reformas que o presidente da República Michel Temer queria e temos um teto de gastos”, justificou.

Na ocasião, o ministro disse também que em agosto de 2019 orçamento será apresentado, “vamos esperar uma atenção da segurança pública”, finalizou.