Após 10 jogos, Jorginho é demitido do Vasco

Técnico encerra sua segunda passagem com 43,33% de aproveitamento. Foram quatro vitórias, um empate e cinco derrotas

Vasco x LDU jorginho - Foto: Jorge R Jorge/BP Filmes

Jorginho não é mais o técnico do Vasco. Após a derrota por 1 a 0 para o Palmeiras, em São Paulo, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, o profissional foi demitido do cargo na noite desta segunda-feira após decisão tomada pelo presidente Alexandre Campello em reunião com o treinador.

Em sua segunda passagem como treinador do clube, foram dez jogos, com quatro vitórias, um empate e cinco derrotas - aproveitamento de 43,33%. Além dele, o preparador físico Joelton Urtiga também deixa o Vasco. Em seu comunicado de despedida, Jorginho citou o "momento político conturbado".

- Não posso dizer que estou satisfeito com este desfecho, porém preciso entender que o Vasco da Gama passa por um momento político conturbado. De minha parte, tenho a mais absoluta certeza de que o clube se recuperará no Brasileiro e este elenco tem tudo para alcançar uma posição melhor na classificação - afirmou o treinador.

Além dos resultados, pesou contra Jorginho o fato de, apesar de ter tido bastante tempo durante a Copa do Mundo para treinar, em campo o time não mostrou o padrão tático e técnico imaginado. Suas decisões por vezes já tinham criado descontentamento interno, como a alteração feita na derrota para o Palmeiras. Raul substituiu Rafael Galhardo, entrou no meio de campo e Andrey foi improvisado na lateral.

O treino desta terça-feira terá como comandante o auxiliar Valdir Bigode. A diretoria vai em busca de um novo técnico para ficar à frente do time. Abel Braga, que seria um nome de consenso, é visto como um sonho distante, já que deixou claro que não pretende pegar nenhum trabalho pelo meio.

Confira a íntegra do comunicado feito por Jorginho:

"Após reunião com a diretoria do Vasco da Gama, chegamos ao consenso de interromper o trabalho neste momento. Aos torcedores, funcionários, atletas, diretoria, em especial ao presidente Alexandre Campello, só tenho o que agradecer por mais esta oportunidade de comandar um dos maiores clubes do mundo.

Não posso dizer que estou satisfeito com este desfecho, porém preciso entender que o Vasco da Gama passa por um momento político conturbado. De minha parte, tenho a mais absoluta certeza de que o clube se recuperará no Brasileiro e este elenco tem tudo para alcançar uma posição melhor na classificação.

Meu agradecimento pela oportunidade e, pela história que tenho no clube, fica minha torcida pela evolução na temporada. Serei sempre um profissional que admira, respeita e torce pelo Club de Regatas Vasco da Gama."