Sidrolândia registra 1ª morte por H3N2; vítima sofria de problemas respiratórios

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde é a 28ª morte que teve como causa, as diferentes variações do vírus.

Sidrolandense Dorival de Oliveira passou um período de internação no Hospital Regional em Campo Grande - Foto: Reprodução

O sidrolandense Dorival de Oliveira, 63 anos, morreu vítima de gripe influenza, H3N2 sazonal, depois de um período de internação no Hospital Regional em Campo Grande. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde é a 28ª morte que teve como causa, as diferentes variações do vírus.  

Segundo o secretário Municipal de Saúde, Nélio Paim, Dorival era um dos pacientes com vários comorbidades, portador de DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), combinação de bronquite e enfisema pulmonar, que está associado ao consumo prolongado de cigarro. A vítima fumava desde a infância. 

Conforme o último boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde, neste ano já foram notificadas cinco internações de pacientes com síndrome respiratória aguda grave (dois deles com diagnóstico confirmado de influenza); este caso confirmado de H3N2; outro de influenza A não subtipado. 

Campo Grande concentra 15 dos 28 óbitos por influenza registrados em Mato Grosso do Sul, sendo quatro por Influenza A H1N1, sete por Influenza H3N2 sazonal, três por Influenza B e um por Influenza não subtipado. 

Conforme o boletim, das mortes deste ano, dez foram pelo vírus Influenza A H1N1, onze por H3N2, quatro por Influenza A não subtipado e três por Influenza B.