IBGE mostra Sidrolândia como 2º maior polo estadual da produção agrícola e entre os 20 maiores do país

Sidrolândia está em 20º lugar, com 706,2 mil toneladas, enquanto Maracaju é o12º com 982,2 mil t de soja.

Sidrolândia está em 20º lugar, com 70,2 mil toneladas de soja. - Foto: VEJA

Sidrolândia se consolidou como segundo polo de produção de soja e milho de Mato Grosso do Sul, ficando atrás apenas de Maracaju. No ranking nacional, divulgado pelo IBGE nesta quinta-feira, o município está em 20º lugar, com 706, 2 mil toneladas, enquanto Maracaju é o 12º com 982,2 mil toneladas de soja.

Os dados da Produção Municipal Agrícola referente a 2017, mostra que a produção sidrolandense superou a de Ponta Porã, que em 2016, com 618 mil toneladas estava na 19ª posição, num ranking que só tinha outra cidade do estado, exatamente Maracaju, em 12º (com 773 mil toneladas). 

Além de Maracaju e Sidrolândia, os outros três principais produtores de soja em 2017 foram Ponta Porã com 694 mil toneladas, Dourados com 575 mil toneladas e São Gabriel do Oeste, que colheu 468 mil toneladas.  

Em relação ao milho, Sidrolândia aparece em 11º no ranking nacional de produção do grão, no qual aparece outros três municípios sul-mato-grossenses: Maracaju (8ª posição), Sidrolândia (11ª), Dourados (14ª) e Ponta Porã (15ª). 

A lista é dominada por municípios de Mato Grosso. Maior produtor de soja do país, o estado vizinho tem 12 dos 20 municípios onde mais se colhe a oleaginosa no país, inclusive o campeão em produção, Sorriso, que colheu 2,1 milhões de toneladas de soja no ano passado. 

Com 9,1 milhões de toneladas, Mato Grosso do Sul foi o quinto maior produtor de soja do país em 2017. Ficaram à frente Mato Grosso (30,4 milhões/t), Paraná (19 milhões), Rio Grande do Sul (18,7 milhões) e Goiás (11,3 milhões/t). 

O valor da produção nos 5,2 milhões de hectares ocupados com agricultura no ano passado em MS chegou a R$ 15,2 bilhões, segundo o IBGE. Foram 19,2 milhões de toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas colhidas no estado – aumento de 40% em relação a 2016. 

Apesar do crescimento na produção, o valor da produção caiu 0,7%. Segundo o IBGE, essa queda foi influenciada pelo recuo dos preços dos principais produtos, interrompendo um crescimento no valor da produção da safra que já durava sete anos. O valor da produção do milho caiu 13,4%, da cana-de-açúcar caiu 12% e do trigo 28%. 

Valor da produção – A soja predomina entre as culturas com maior valor produzido. As dez principais culturas de MS (soja, cana-de-açúcar, milho, mandioca, algodão herbáceo, arroz, feijão, borracha, melancia e trigo) representaram 99,3% de todo o valor gerado pela atividade. 

“Em termos de valor da produção, a agricultura está concentrada nas três principais culturas, soja, milho e cana-de-açúcar, que representam 93,6% do total do valor da produção, com destaque para a soja com 53,6%, o que representou R$ 8,2 bilhões de reais”, informa a pesquisa do IBGE. 

Milho cresceu – A pesquisa do IBGE, que é relativa apenas aos resultados de 2017, mostra crescimento considerável da produção de milho em Mato Grosso do Sul no ano passado. Em 2017 a quantidade produzida de milho foi de 9,8 milhões de toneladas, a quarta maior produção do país, com aumento de 62,9% em relação a 2016. MS teve a terceira maior área colhida de milho no ano passado, com 1.831.970 hectares.