Bambu comemora recorde no Santos e diz: 'Sabia que era a minha hora'

A maior dificuldade agora está fora das quatro linhas.

Bambu conta como reagiu à chance no Santos - Foto: Pedro Azevedo/SFC

Robson Bambu é uma das maiores surpresas do Santos em 2018. Última opção para a defesa desde a pré-temporada, o zagueiro aproveitou a saída de David Braz e problemas físicos de Lucas Veríssimo e Luiz Felipe para se firmar com o técnico Cuca como titular.

E logo na primeira sequência no time principal, Bambu fez parte de um recorde no Peixe: oito partidas sem levar gols (nove sem derrotas).

“Temos que acreditar em nós mesmos para realizar nossos sonhos. Quando oportunidade apareceu, eu estava preparado, mesmo não jogando. Focado, trabalhando forte, família em cima. Eu sabia que era a minha hora, Deus falou: “Vai lá, é sua hora”. Batemos um recorde de oito jogos sem tomar gols, eu novo já bati esse recorde. Mérito do grupo. Todos temos importância e agora é manter o foco e dar sequência”, disse Bambu, à Rádio Santos, depois de encontro com o time sub-11. 

A maior dificuldade agora está fora das quatro linhas. Robson tem contrato apenas até o dia 10 de novembro e a negociação se arrasta por algumas semanas. Até o técnico Cuca entrou na jogada.

“É acima do que podemos dar. Veio outro dia do sub-20, se firmando agora, muito bom, mas tem jogadores excepcionais na mesma posição. Santos quer negociar para manter, é esforçado, humilde e trabalhador. Não queremos perder. Do jeito que está, vai ser difícil. Não faremos loucuras. Essa besteira a gente não pode cometer. Jogador tem que ter cenourinha para alcançar. Se der tudo, perde”, disse o presidente José Carlos Peres, após reunião do Comitê de Gestão na noite desta segunda-feira, na Vila Belmiro.

“A Magnitude nega que tenha formalizado qualquer valor com a diretoria do Santos Futebol Clube referente à renovação do contrato do atleta Robson Bambu. Em julho de 2017, por iniciativa da Magnitude, foram iniciadas conversas em busca da prorrogação do vínculo de trabalho do jogador. De lá para cá, o assunto foi tratado com oito interlocutores diferentes (desde o departamento de futebol até a presidência). A proposta oficial, muito aquém das expectativas do atleta, foi formalizada apenas no dia 3 de setembro de 2018, a dois meses do término do contrato de trabalho”, aponta a Magnitude, empresa que cuida da carreira do jogador.

A Gazeta Esportiva ouviu dois membros da diretoria do Santos e as informações sobre os números pedidos pelos representantes de Bambu são diferentes, ambos fora da realidade do clube: um disse R$ 160 mil de salário e R$ 500 mil em luvas, outro apontou R$ 170 mil de salário e R$ 1 milhão em luvas.