Por falta de quórum, julgamento contra habeas corpus de Gustavo Scarpa é adiado

Meia está livre para defender o Palmeiras desde junho

Julgamento de Gustavo Scarpa foi adiado mais uma vez — - Foto: THIAGO RIBEIRO/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

O julgamento do recurso do Fluminense para derrubar o habeas corpus que atualmente libera Gustavo Scarpa para atuar pelo Palmeiras, marcado para esta terça-feira, no TST (Tribunal Superior do Trabalho, foi adiado por falta de quórum.

A informação foi divulgada inicialmente pela ESPN e confirmada pelo site. De acordo com a Subseção II Especializada em Dissídios Individuais, o ministro Renato Lacerda Paiva está impedido de votar, e por isso uma nova data será marcada.

O dia, porém, ainda não está definido. É necessário uma orientação do gabinete responsável pelo caso para que haja nova seção.

Já é a segunda vez que o julgamento do habeas corpus é adiado. Na outra ocasião, o ministro Douglas Alencar Rodrigues pediu vista regimental do processo, ou seja, mais tempo para analisar a questão.

Enquanto o caso não se resolve, o vínculo de Scarpa continua com o Palmeiras. O mérito do caso ainda será julgado para decidir eventual indenização. Scarpa recorreu à Justiça pedindo a rescisão contratual por conta da falta de pagamento de salários por parte do Flu. Segundo a defesa dele, a dívida é de R$ 735 mil.

Relembre o caso

Início de dezembro - Insatisfeito no clube, Scarpa manifesta companheiros o desejo de deixar o Fluminense.

Decorrer de dezembro - Ciente do desejo do jogador, Fluminense abre negociações com outros clubes, como São Paulo, Corinthians e Palmeiras.

21 de dezembro de 2017 - Após quase acerto, Flu, jogador e Palmeiras não chegam a acordo, e clube paulista desiste de negociação.

22 de dezembro de 2017 - Scarpa entra na Justiça pedindo rescisão de seu contrato com o Fluminense alegando atraso no pagamento de vencimentos, incluindo direitos de imagem e FGTS. Devido ao recesso de fim de ano do judiciário, Fluminense não é notificado da ação

Início de janeiro de 2018 - Ciente da possibilidade de Scarpa entrar na Justiça, Fluminense quita parte dos débitos com o jogador para tentar evitar o processo que já havia sido iniciado.

10 de janeiro de 2018 - A Juíza Dalva Macedo nega o pedido de liberação antecipada do jogador enquanto o processo corre na Justiça em 1ª instância.

11 de janeiro de 2018 - Os advogados de Scarpa entram com um mandado de segurança em 2ª instância pedindo a liberação antecipada e obtêm uma liminar favorável ao atleta.

15 de janeiro de 2018 - Palmeiras anuncia a contratação de Gustavo Scarpa. Contrato de 5 anos. Operação gira em torno de 6 milhões de euros, valor a ser pago em luvas ao jogador e aos intermediários da negociação, a empresa OTB.

4 de fevereiro de 2018 - Scarpa estreia pelo Palmeiras, em partida contra o Santos, pelo Campeonato Paulista.

11 de março de 2018 - Scarpa marca seus primeiros gols pelo Palmeiras. Dois na vitória por 3 a 0 sobre o Ituano também pelo estadual.

15 de março de 2018 - Após o Fluminense entrar com um agravo, desembargadores do TRT-RJ cassam a liminar que liberava Scarpa a assinar com outro clube.

16 de abril de 2018 - No julgamento em 1ª instância, a Juíza Dalva Macedo nega outro pedido de liberação antecipada e dá dez dias úteis para as partes darem considerações finais.

2 de maio de 2018 - Após fim do prazo, partes aguardam decisão da Juíza Dalva Macedo. Sem poder atuar pelo Palmeiras e sem se reapresentar ao Fluminese, jogador mantém forma em academia em Hortolândia/SP, sua cidade natal.

7 de junho de 2018 - O Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro negou em definitivo o mandado de segurança do jogador solicitando sua liberação do Fluminense para atuar por outro clube antes do fim do julgamento do processo. O placar da votação dos desembargadores foi de 8 a 3 em favor do clube carioca. Com a decisão em 2ª instância, o meia seguiu vinculado ao Tricolor, sem poder atuar pelo Palmeiras.

11 de junho de 2018 - A juíza Dalva Macedo, enfim, deu sua sentença no caso Gustavo Scarpa. No veredicto, a magistrada da 70ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro considerou improcedente a reclamação do meia, mantendo o vínculo com o Flu ativo. No entendimento da juíza, o meia entrou na Justiça apenas com o objetivo de se desvencilhar da multa rescisória de R$ 200 milhões para assinar com outro clube, e obter vantagens salariais.

26 de junho - Após um período parado, Scarpa consegue um habeas corpus no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília, para voltar a jogar. Dois dias depois, acerta contrato com o Palmeiras.

3 de agosto - Fluminense pede e é atendido quanto a bloqueio de R$ 200 milhões (valor da multa rescisória) de Scarpa e do Palmeiras. Trata-se de uma antecipação de tutela, para caso o Tricolor seja vencedor da ação.

9 de agosto - Justiça derruba bloqueio de R$ 200 milhões de Gustavo Scarpa e do Palmeiras