Eleição brasileira começa na Nova Zelândia, primeiro país a abrir votação

Segundo o Itamaraty, há 1.859 eleitores inscritos para votar em Auckland e Wellington.

Auckland, na Nova Zelândia, terá votação da eleição brasileira pela primeira vez - Foto: D Coetzee/Flickr

A eleição brasileira já começou na Nova Zelândia, país onde primeiro começa a votação pelo mundo, com fuso horário 16 horas à frente de Brasília. Segundo o Itamaraty, há 1.859 eleitores inscritos para votar.

Os horários de votação são os mesmos do território brasileiro, mas adaptados ao fuso de lá. Assim, a votação foi aberta na representações do Itamaraty às 8h deste domingo (7), que equivale às 16h deste sábado (6) em Brasília. O encerramento acontece às 17h locais, o que equivale à 1h de domingo pelo fuso de Brasília.

Assim, quando as pessoas estiverem acordando no Brasil no dia da eleição, ela já terá terminado há muitas horas na Nova Zelândia.

A votação contece na capital do país, Wellington, e, pela primera vez, também em Auckland, que é a maior cidade neozelandesa. Serão duas seções eleitorais em Wellington (1.318 inscritos) e uma em Auckland (541 inscritos), informa a embaixada brasileira no país.

A representação diplomática trabalha com a estimativa de que o número total de brasileiros no país tenha superado os 6 mil atualmente.

'Outra ponta'

Com a diferença no fuso horário, os consulados brasileiros realizarão seus pleitos durante 29 horas ao redor do mundo. A votação se encerrará mais tarde nos consulados-gerais em Los Angeles (EUA), San Francisco (EUA) e Vancouver (Canadá), às 21h de domingo, pela hora de Brasília.

Estados Unidos, Japão e Portugal concentram mais da metade (51,9%) dos brasileiros aptos a votar no exterior nas eleições deste ano. Esses eleitores podem votar apenas para presidente. No total, 500.727 eleitores estão inscritos nas 1.790 seções eleitorais fora do Brasil.

Apenas 13 países têm mais de 5 mil eleitores cadastrados e reúnem 86,5% do eleitorado inscrito no exterior. Os números são os mais atualizados da Justiça Eleitoral.

Nas eleições de 2014, 354,2 mil eleitores estavam aptos para votar fora do Brasil. Isso significa que houve um aumento de 41,4% no eleitorado do exterior na comparação de 2014 com 2018. Na época, Miami era a cidade com a maior quantidade de eleitores brasileiros aptos para votar.

"Depois que implantamos o sistema de atendimento no exterior, chamado de 'Título Net Exterior', em 21 de fevereiro do ano passado, fizemos 91 mil atendimentos. Isso nos ajudou a aumentar o número de eleitores, que antes tinham de ir várias vezes à embaixada para conseguir o título", diz Juliana Bandeira, chefe do cartório responsável pelos eleitores que moram fora do Brasil.

Nestas eleições, os Estados Unidos ainda concentram o maior número desse público, com 160.035 eleitores. Em seguida, vêm Japão (60.720) e Portugal (39.246). As cidades no exterior com mais eleitores são Boston e Miami, ambas nos Estados Unidos. São 35.051 e 34.347 eleitores, respectivamente.

Tóquio, capital do Japão, é a terceira cidade com mais eleitores (26.098). Em seguida, Londres, na Inglaterra, tem 25.927 eleitores aptos. Outra cidade no Japão, Nagóia, é a 5ª cidade com mais eleitores brasileiros cadastrados: 24.520.