PCC rapta e tortura rapaz que diz ter conseguido escapar do cativeiro

O rapaz teria conseguido escapar do cativeiro, uma casa no Bairro São Bento, aproveitando quando o marginal encarregado de vigia-lo no quarto, cochilou.

Quando percebeu que estava seguro, foi até um telefone público e chamou Polícia Militar. - Foto: Paula Lúcia/Região News

A Polícia Militar prendeu ontem, domingo (28), quatro rapazes, entre um deles, adolescente de 17 anos, membros do PCC, que participaram de um tribunal do crime, durante o qual, teriam torturado e mantido em cativeiro um rapaz de 20 anos, após rapta-lo em frente da casa dele.

O rapaz teria conseguido escapar do cativeiro, uma casa no Bairro São Bento, aproveitando quando o marginal encarregado de vigia-lo no quarto, cochilou. De lá, ele se escondeu numa igreja de onde foi até um orelhão perto do Posto Pé de Cedro e telefonou para a PM.   

O rapaz contou à polícia que, estava em frente à sua residência, quando um veículo preto parou e um ocupante disse "entre no carro por bem ou por mal".

Com medo, a vítima entrou no carro e foi levada até uma casa no Bairro São Bento. Neste momento, chegaram mais quatro homens. O jovem foi trancado em um dos cômodos da casa onde começou a sessão de tortura, acompanhada de ameaças de morte.

Os agressores disseram que aquele era o "Tribunal do Crime", e que os irmãos da facção que decidiriam se ele seria morto ou apenas torturado, quebrando um de seus braços.

No momento das agressões, a vítima ouvia que ela tinha que seguir as leis da facção criminosa. Neste momento, um dos agressores fez uma ligação, possivelmente para um associado do PCC que está num presídio. A vítima supõe que se tratava de uma "conferência" porque ouviu várias vozes diferentes no aparelho e todos estavam "decidindo" sobre a sua vida.

O rapaz então foi preso em um dos cômodos. Depois de algum tempo, ele percebeu que o agressor que fazia a sua vigia dormiu. A oportunidade foi aproveitada pela vítima, que conseguiu fugir e se esconder numa igreja nas proximidades do Posto Pé de Cedro. Quando percebeu que estava seguro, foi até um telefone público e chamou Polícia Militar.

Prisões – Equipe da PM deslocou foi até o local indicado pela vítima. Lá, os militares perceberam a movimentação em uma residência e abordaram os quatro suspeitos. Todos foram reconhecidos pela vítima, entre eles, um adolescente infrator de 17 anos.

O grupo foi levado para a Delegacia de Sidrolândia. Eles responderão por cárcere privado, sequestro, ameaça, tortura e roubo. Entretanto, o veículo preto e o condutor, não foram encontrados.