Suspeita de encomendar execução, mulher é morta a tiros na fronteira

Crime ocorreu 24 horas após a morte da advogada de Pavão.

Vítima foi morta tiros ontem. - - Foto: Reprodução

Alba Luz Godoy Chavez, de 30 anos, foi executado na noite de ontem, na cidade paraguaia de Capitan Bado, na fronteira com o município sul-mato-grossense de Coronel Sapucaia. O crime ocorreu por volta das 19h45, 24 horas depois que a advogada Laura Casuso, 54, foi assassinada por pistoleiro no bairro Maria Victoria, em Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

Segundo o site Porã News, Alba estava sentada em frente a um imóvel na Rua 14 de Maio, no Bairro São José, quando o executor se aproximou e atirou cinco vezes com pistola calibre nove milímetros, fugindo em uma moto. Segundo testemunhas, a vítima morreu no local. De acordo com a polícia, a mulher era suspeita de ter encomendado a morte do homem que matou seu marido.

Adib Morel Dutra, 42, havia sido morto a tiros no dia 3 de dezembro do ano passado. A Divisão de Homicídios da polícia do Paraguaia acredita que Alba pode ter sido alvo de uma possível retaliação por pedir a cabeça da pessoa que assassinou Morel. Conforme o Porã News, a polícia não descarta outras hipóteses, mas a principal linha de investigação é de vingança.

Laura Casuso,  advogada dos traficantes Jarvis Pavão e Marcelo Piloto, foi morta com aproximadamente 18 tiros de calibre nove milímetros na noite de segunda-feira. Ela foi atacada por pistoleiros no bairro Maria Victoria, na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero. A vítima chegou a ser socorrida e levada ao hospital, mas não resistiu.