Ladrão que descarregou arma contra comerciante diz que foi "fatalidade"

"Irmão Baleado" do PCC fugiu para São Paulo, mas foi preso lá

Douglas durante foi apresentado à imprensa durante coletiva nesta manhã. - - Foto: Valdenir Rezende

A Polícia Civil prendeu Douglas Aparecido Cardoso, de 30 anos, suspeito de ter descarregado revólver contra o comerciante Fernando Alle dos Santos, de 53 anos, em conveniência localizada na Vila Morumbi, em Campo Grande. O homem morreu no local e o criminoso, mais conhecido como "Irmão Baleado" do Primeiro Comando da Capital (PCC), disse que os disparos foram uma "fatalidade", pois a arma teria disparo sozinha quando a vítima reagiu.

Durante coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, o delegado Fábio Brandalise, da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos (Derf), explicou que Douglas é de São Paulo e teria vindo a Mato Grosso do Sul para fugir da polícia de, chegando ao estado, continuou com outras práticas criminosas. "Ele responde por homicídio, tráfico e roubo lá e disse que veio embora porque a polícia não dava sossego, por causa das várias passagens".

Conforme apurado, no dia 20 de maio, Douglas e um adolescente de 16 anos foram à conveniência localizada no cruzamento da Rua Assunção com a Rua Campo Belo, onde anunciaram assalto. O delegado pontuou que, na ocasião, o menor teria exigido ao comerciante que ele entregasse objetos que estavam em seu bolso. A vítima, tensa, não obedeceu e o garoto então pediu para que Douglas, armado, viesse para intimidá-la.

O criminoso então atirou várias vezes contra Fernando. O comerciante foi atingido por dois disparos e não resistiu. As imagens das câmeras de segurança não mostram com detalhe se de fato a vítima reagiu, como alegado pelo assaltante. No entanto, a perícia aponta que foram dados seis disparos no local. "Ao que tudo indica, ele atirou contra a vítima, descarregando a arma. Não sabemos se a vítima reagiu, por exemplo, após início dos tiros", afirmou o delegado. O revólver usado na ação, de calibre 38 ou 357, não foi encontrado.

Apresentado à imprensa, o ladrão assumiu o roubo, mas negou que tenha puxado o gatilho para matar. "Ele pulou em cima de mim e ela [a arma] disparou sozinha", disse ele que foi indiciado pelo roubo de uma farmácia na Avenida Guaicurus e é investigado pela 7ª Delegacia de Polícia da Capital por envolvimento na morte de Jhenifer de Almeida, de 25 anos, espancada até a morte no Nova Campo Grande. A suspeita é de que Douglas veio para Campo Grande com a intenção de montar boca de fumo.

FUGA

Após o crime, Douglas voltou para Itaí, onde reside no interior de São Paulo. A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, por meio da Derf, assumiu as investigações, conseguiu identificá-lo, localizá-lo e solicitou a prisão. No último dia 22 de outubro, ele foi preso pela Polícia Civil de São Paulo e foi trazido pelos investigadores da Derf na semana passada. "Ele está sendo indiciado por nós e o adolescente por ato infracional junto à Deaij [Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e à Juventude], mas não foi preso", pontuou Brandalise.