Gadelha crê em vitória no solo contra Nina, e admite que trocas de equipe brecaram evolução

Brasileira elogia rival deste sábado no UFC 231, mas revela boa relação com ela e sua noiva.

- Foto: Raphael Marinho

Cláudia Gadelha vem de vitória sobre Carla Esparza, mas sabe que passou longe de atuar no seu melhor nível. Neste sábado, contra Nina Ansaroff, no UFC 231, a brasileira acredita que retomará o caminho das boas atuações para vencer a rival. Apesar de elogiar o jogo de trocação da americana, a peso-palha aposta que suas quedas e jiu-jítsu serão fundamentais para ela emplacar o segundo resultado positivo consecutivo.

- Na minha última luta eu senti que não consegui impor o meu jogo por causa do meu joelho - estava sentindo muito o joelho, que eu machuquei dez dias antes da luta. Não tem problema nenhum eu trocar com a Nina, apesar de ela ser uma ótima striker, mas nós não estamos lutando muay thai ou kickboxing. É uma luta de MMA e eu me considero uma lutadora mais completa do que ela. Eu acredito que essa vai se desenhar e vai terminar no segundo round, com ground and pound ou finalização - afirmou, ao Combate.com.

Ante de bater Esparza por decisão dividida, Gadelha sofreu derrota dominante contra Jéssica Bate-Estaca. As duas performances abaixo da média coincidiram com um período de mudança de acdemias na vida de Claudinha, que reconheceu que isso atrapalhou sua evolução.

- Venho passando pela fase mais difícil da minha carreira, porque treinei mais de dez anos em um time e precisei sair do Brasil e vir para cá procurar novos treinadores e novas pessoas que se encaixavam perfeitamente no meu jogo, e acho que isso fez eu não atuar tão bem dentro do UFC. Estava procurando pessoas que pudessem casar com o que preciso fazer dentro do octógono, e sinto que agora encontrei essas pessoas. Acho que dessa vez, vai. Toda troca de equipe e de treinador requer um processo novo. Você tem que aprender coisas novas e se reinventar, e foi isso que eu passei nos dois últimos anos. Fui parar em Nova Jersey, depois fui pra Albuquerque e agora estou em Las Vegas. Foi uma fase muito difícil da minha vida, onde eu procurei encontrar treinadores não perfeitos, porque isso não existe, mas que se encaixassem melhor com o meu jogo. Eu sempre tive dificuldade com isso, tanto que eu mudei várias vezes. Por ter passado tanto tempo dentro da Nova União, dificultou mais ainda. Tinha um ótimo treino em Nova Jersey, mas não conseguia lidar com o frio. Fui para Albuquerque, e adorava o treino, mas ficava depressiva. Não estava feliz por causa do lugar onde eu estava morando. Saí do Rio de Janeiro pra morar em uma cidade pequena, que ninguém fala com ninguém. Era todo mundo triste. Preciso estar feliz para performar bem. Decidi mudar para Vegas, e consigo ver tudo isso lá. Adoro o lugar, estou super feliz e tenho encontrado treinadores que têm me ajudado bastante.

O duelo contra Ansaroff será um encontro contra uma velha conhecida da brasileira. Gadelha tem boa relação com Amanda Nunes e com a própria americana, mas disse fazer parte do esporte esse tipo de confronto.

- Eu conheço a Amanda desde a época em que lutávamos jiu-jítsu, dez anos atrás. A gente se conhece bem. Já fui para Miami passear e encontrei a Amanda para treinar e treinei com a Nina. A gente nem estava no UFC e não imaginava que fosse lutar um dia. Mas é um esporte totalmente profissional. Hoje em dia é legal eu ter passado pela época em que o MMA era uma briga e passou a ser um esporte de alto rendimento. Os atletas entendem muito melhor isso. No Brasil, aquela coisa de brasileiro não lutar com brasileiro, de "creontagem", está mudando bastante, o que me deixa muito feliz. As pessoas estão entendendo que o esporte está crescendo, que é de alto nível e que nós vamos precisar nos enfrentar - concluiu.

O Combate transmite o UFC 231 ao vivo, na íntegra e com exclusividade neste sábado, dia 8 de dezembro, a partir de 21h (horário de Brasília). O SporTV 3 e o Combate.com transmitem as duas primeiras lutas do card preliminar em vídeo, e o site acompanha todo o evento em Tempo Real.

UFC 231
8 de dezembro de 2018, em Toronto (CAN)
CARD PRINCIPAL (1h, horário de Brasília):
Peso-pena: Max Holloway x Brian Ortega
Peso-mosca: Valentina Shevchenko x Joanna Jedrzejczyk
Peso-meio-médio: Alex Cowboy x Gunnar Nelson
Peso-pena: Hakeem Dawodu x Kyle Bochniak
Peso-meio-pesado: Jimi Manuwa x Thiago Marreta
CARD PRELIMINAR (21h, horário de Brasília):
Peso-palha: Cláudia Gadelha x Nina Ansaroff
Peso-leve: Olivier Aubin-Mercier x Gilbert Durinho
Peso-mosca: Katlyn Chookagian x Jessica Eye
Peso-médio: Elias Theodorou x Eryk Anders
Peso-galo: Brad Katona x Matthew Lopez
Peso-meio-médio: Chad Laprise x Dhiego Lima
Peso-leve: Carlos Diego Ferreira x Kyle Nelson
Peso-meio-pesado: Devin Clark x Aleksandar Rakic