Irã afirma que presença militar dos EUA na Síria é 'ilógica'

Presidente americano Donald Trump anunciou retirada das tropas americanas do país.

Hassan Rouhani, presidente iraniano - Foto: UMIT BEKTAS / REUTERS

DUBAI- O Ministério das Relações Exteriores do Irã declarou neste sábado que a presença militar dos Estados Unidos na Síria é "ilógica, e uma fonte de tensão". A afirmação acontece depois da decisão do presidente americano, Donald Trump, de retirar tropas americanas do Afeganistão e da Síria. O apoio militar iraniano tem sido importante para apoiar Bashar al-Assad na guerra.

Na quarta, Trump declarou que os EUA foram bem sucedidos na missão de derrotar o Estado Islâmico e que suas forças militares não são mais necessárias no país.

— Desde o início, a entrada e a presença de forças americanas na região tem sido um erro, ilógico e uma fonte de tensão, e uma das principais causas de instabilidade — disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Qasemi, segundo a Agência estatal iraniana de notícias.

Parte dos 2 mil soldados dos Estados Unidos já começaram a voltar para casa depois de Trump destacar que o Estado Islâmico já foi derrotado, sua "única razão" para ficar no território. No entanto, forças curdas alertaram que a medida pode levar o grupo extremista a reconstruir sua força na região.

Na quinta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, um dos principais aliados do regime de Bashar al-Assad, ponderou sobre a medida dizendo que não sabia seu real significado. Putin disse ainda que a presença dos EUA na Síria era "ilegítima".