Palmeiras atende pedidos de Felipão, mas não se fecha para novas contratações

O clube entende que, com os cinco reforços até aqui, supriu as carências.

Ricardo Goulart é sonho antigo do Palmeiras e velho conhecido de Felipão - Foto: Sina.com

A expressão utilizada no Palmeiras para definir eventuais novas contratações é essa: "oportunidades de mercado". O clube entende que, com os cinco reforços até aqui, supriu as carências que a comissão técnica de Luiz Felipe Scolari havia identificado.

O último nome oficializado pelo Palmeiras foi o de Felipe Pires, atacante de velocidade que pertence ao Hoffenheim, da Alemanha, e foi emprestado por um ano, com opção de compra.

Já haviam sido anunciados os também atacantes Carlos Eduardo e Arthur Cabral, o volante Matheus Fernandes e o meia Zé Rafael.

Os principais pedidos de Felipão eram pontas. Com Felipe Pires e Carlos Eduardo, estão repostas duas baixas – uma criada com a saída de Keno, ainda no meio de ano, e outra pela lesão de Willian, que operou o joelho e será desfalqu no primeiro semestre.

Isso não significa que o Palmeiras fechou o elenco. O meia-atacante Ricardo Goulart, por exemplo, é um sonho antigo do clube e um jogador que foi campeão com o próprio Felipão na China. Ele fez tratamento recentemente na Academia de Futebol, mas a liberação por parte do Guangzhou Evergrande é difícil.

Por enquanto, mesmo comprador, o Palmeiras ainda poderá virar o ano com o menor número de contratações desde que Alexandre Mattos assumiu o cargo de diretor de futebol, em 2015. Foram 19 novos nomes na pré-temporada do primeiro ano de trabalho, oito em 2016, oito em 2017 e seis em 2018.