Jon Jones admite ter asteriscos no seu legado e revela que temeu com mudança de sede do UFC

No entanto, assegura que confusão dos últimos dias não o distraiu do objetivo.

Jon Jones admite que Gustafsson (dir.) foi o homem que melhor o enfrentou no MMA - Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC / Getty Images

Os últimos três anos não foram fáceis para Jon Jones, recheados de polêmicas, e os últimos quatro dias acrescentaram mais um capítulo ao livro de controvérsias de sua carreira. Cerca de uma semana antes de sua realização, o Ultimate anunciou a transferência da sede do UFC 232 de Las Vegas para Los Angeles, por causa de problemas logísticos para liberar Jon Jones para competir em Nevada após um exame antidoping que apontou resíduo da substância proibida que resultou em sua suspensão por 15 meses em julho de 2017.

A USADA (sigla em inglês para Agência Antidesportiva dos EUA, responsável pelo controle antidopagem no UFC) e a Comissão Atlética do Estado da Califórnia asseguraram que a quantidade de turinabol encontrada é residual da ingestão pela qual "Bones" já foi punido e insignificante para seu rendimento, e, por isso, o UFC levou o evento, que terá Jones x Alexander Gustafsson na luta principal, para a Califórnia.

Jon Jones teve um pouco mais de tempo que o resto dos lutadores para se preparar para a mudança: recebeu a notícia na véspera do anúncio oficial do UFC. No entanto, isso não o impediu de temer pelo que poderia acontecer com sua carreira caso a USADA determinasse que havia evidência real de violação da política antidoping, e ele fosse vetado de lutar no próximo sábado.

- Minha primeira reação foi de medo, fiquei um pouco assustado. Eu acabei de passar por muita coisa para voltar a este ponto e ter mais uma coisa acontecendo, foi o pior cenário possível. Eu estava só pensando, "De novo não..." Fiquei muito grato de poder lutar, porque não lutar seria muito mais arrasador - contou o ex-campeão peso-meio-pesado do UFC ao Combate na quarta-feira, ainda em Las Vegas, antes de seguir para Los Angeles, onde participa de coletiva de imprensa nesta quinta.

A situação arranhou ainda mais a já frágil imagem de Jon Jones com os fãs de MMA. O lutador americano vem se esforçando para compensar por suas falhas: se submeteu a um exame antidoping na Califórnia no mesmo dia que soube de seu resultado anormal, aceitou se submeter a exames tanto da USADA quanto da Agência Voluntária Antidoping (VADA) para provar sua inocência, e ajudou fãs prejudicados com a mudança de local do evento com o pagamento dos seus voos para Los Angeles. Apesar disso, o ex-campeão meio-pesado reconhece que dificilmente apagará as dúvidas e críticas sobre si.

- Acho que meu legado sempre terá asteriscos ao lado, e é algo com que já me acostumei nesta altura. Só espero que os fãs percebam que isso não foi intencional, que não foi algo que eu pudesse controlar, que o melhor que eu posso fazer é fazer a coisa certa, permanecer otimista e fazer coisas boas daqui em diante - disse Jones.

Apesar da polêmica da mudança de local do evento e de tudo o que envolve esta operação, Jones jura que não perde o foco de enfrentar novamente Alexander Gustafsson, contra quem fez uma disputa do cinturão meio-pesado muito elogiada por fãs e crítica. Após três anos com mais tempo cumprindo suspensões do que lutando no octógono, o americano permanece motivado pelo reencontro com o homem que chegou mais perto de vencê-lo durante seu reinado como campeão.

- Esta luta significa absolutamente tudo para mim. Alexander Gustafsson, na primeira vez que lutamos, veio com uma ótima estratégia, me enfrentou muito bem, melhor do que qualquer outro conseguiu, e conquistou meu respeito. Nesta segunda vez, realmente sinto que vou ganhar dele de forma muito mais convincente, porque ele tem meu respeito agora e minha atenção completa. Mesmo nesta situação louca, ele tem minha atenção completa, o que é muito difícil de fazer, mas ele tem. Acho que vai ser uma luta incrível.

E que o sueco vá preparado para o Forum de Inglewood: Jones promete levar ao octógono todas suas melhores características, as que o tornaram o campeão mais dominante dos meio-pesados.

- Vou bater o Alexander Gustrafsson simplesmente sendo inteligente e sendo eu mesmo. Versátil, adaptável, com o coração de um leão, e realmente vindo com uma estratégia melhor desta vez, com um corpo mais preparado e uma mente mais preparada, e apenas confiar no que tenho - concluiu.

O Combate transmite o UFC 232 ao vivo, na íntegra e com exclusividade no próximo sábado, a partir de 21h30 (horário de Brasília). O Combate.com transmite as duas primeiras lutas do card preliminar em vídeo e acompanha o restante do evento em Tempo Real.

UFC 232
29 de dezembro de 2018, em Los Angeles (EUA)
CARD PRINCIPAL (1h, horário de Brasília):
Peso-meio-pesado: Jon Jones x Alexander Gustafsson
Peso-pena: Cris Cyborg x Amanda Nunes
Peso-meio-médio: Carlos Condit x Michael Chiesa
Peso-meio-pesado: Ilir Latifi x Corey Anderson
Peso-pena: Chad Mendes x Alex Volkanovski
CARD PRELIMINAR (21h30, horário de Brasília):
Peso-pesado: Andrei Arlovski x Walt Harris
Peso-pena: Cat Zingano x Megan Anderson
Peso-galo: Douglas D'Silva x Petr Yan
Peso-leve: B.J. Penn x Ryan Hall
Peso-galo: Nathaniel Wood x Andre Ewell
Peso-médio: Uriah Hall x Bevon Lewis
Peso-meio-médio: Curtis Millender x Siyar Bahadurzada
Peso-galo: Montel Jackson x Brian Kelleher