Em votação apertada, trabalhadores da JBS rejeitam proposta salarial da empresa

No início da madrugada desse sábado (5) foi concluída a apuração dos votos coletados durante todo o dia.

Trabalhadores da JBS - Foto: Divulgação

Por uma diferença de apenas 5 votos, os trabalhadores da unidade de Sidrolândia da JBS rejeitaram a proposta de acordo salarial apresentada pela empresa de reajuste de 4% para os atuais funcionários e 5% no piso, menor remuneração para os funcionários que forem contratados a partir de agora. No início da madrugada desse sábado (5) foi concluída a apuração dos votos coletados durante todo o dia em urnas instaladas dentro da própria indústria.

De um total de 1.106 votantes, 544 votaram “não” (rejeitaram a proposta) e 544 “sim” (aceitaram a proposta), seis optaram por anular o voto e cinco votaram em branco. Percentualmente, houve um empate técnico, já que a posição majoritária (o “não”) representou 50,4%, enquanto o sim, teve 49%, ficando 0,6% entre nulos e brancos.  A partir do resultado desta votação, os trabalhadores ficam sem reajuste e a convenção coletiva pode ser judicializada, ficando para a Justiça do Estado, a tarefa de resolver o impasse. Outro caminho é o da categoria se mobilizar para uma greve como instrumento de pressão para tentar arrancar um reajuste salarial.

Desde a divulgação da proposta, apresentada pela JBS mês passado na segunda rodada de negociação, muitos trabalhadores vinham criticando (vias redes sociais) não só a oferta da empresa e a própria diretoria do Sindicato. Os funcionários questionam os índices diferenciados (5% de reajuste no salarial inicial e 4% para quem tem mais tempo de casa) que representariam um incremento financeiro efetivo muito pequeno no bolso do trabalhador porque proporcionalmente vão aumentar os descontos, do INSS e do vale transporte (cobrado na base de 3% sobre o piso salarial).  O piso aumentaria R$ 54,00, de R$ 1.150,00 para r$ 1.208,00.

O Sindicato levou para a mesa de negociação o pedido de um reajuste salarial de 5%, a mesma solicitada ao Frigorifico Balbinos, que aceitou. Na primeira conversa, a empresa propôs 4%, oferta rejeitada. Na segunda reunião, JBS fez algumas concessões (em relação ao pagamento da participação dos lucros) e concordou em conceder 5%, mas só no piso salarial, além de incorporar alguns itens à cesta básica (um litro de leite em caixinha, um quilo mais de frango, de 4 para 5 quilos e 500 gramas de farinha de mandioca).

A empresa concordou em pagar a participação anual nos lucros (R$ 900,00 por funcionário), para quem tenha uma falta justificada ao longo de um ano. Antes o benefício só era pago para o trabalhador sem nenhuma falta (mesmo se justificada por atestado médico). O funcionário com duas faltas, receberá 75% da participação (R$ 675,00); três faltas (R$ 450,00) e quatro faltas, 25% (R$ 225,00). Só perderia a bonificação financeira o trabalhador com mais de 4 faltas.

Resultado da assembleia

1105 votantes.

550 - Não - 50,4%

544 - Sim. -  49,0%

06 – Nulos - 0,4%

05- Brancos. 0,2%