Tribunal do Júri julga peão que baleou no rosto adolescente sidrolandense

O acusado no seu depoimento disse que a adolescente o estaria provocando abraçando outro rapaz durante festa.

Adalmir Lopes Torres, 23 anos está sendo julgado em Campo Grande - Foto: Bruno Henrique/Correio do Estado

Está sendo julgado pelo Tribunal do Júri em Campo Grande, o trabalhador rural Adalmir Lopes Torres, 23 anos, que em janeiro de 2018 baleou com um tiro na cabeça a adolescente G.K.R.M, na época com 16 anos. Ela passou por uma cirurgia neurológica e teve sequelas, ficando com o rosto paralisado.

Conforme o Ministério Público Estadual (MPE-MS), a tentativa de homicídio foi motivada por ciúmes do autor, mas Torres nega e diz que “queria dar um susto” na vítima. O acusado no seu depoimento disse que a adolescente o estaria provocando abraçando outro rapaz durante festa. Houve então uma discussão e G.K.R.M teria dado um tapa no rosto dele. Após a agressão, ele fez dois disparos.

O crime aconteceu em janeiro de 2018. A adolescente morava em Sidrolândia e teria ido em uma kitnet na Rua Porto dos Gaúchos, no Bairro São Jorge da Lagoa, em Campo Grande, onde ocorria uma festa. De acordo com a denúncia do MPE, Torres era amante da adolescente e teria ficado com ciúmes dela com os amigos que estavam na festa. 

Torres e a adolescente estavam ingerindo bebidas alcoólicas. Ele viu a vítima abraçando amigos, foi até a casa dele, que fica distante a 300 metros da kitnet, pegou uma arma calibre .38 dentro do guarda-roupas e, ao voltar para o local da festa, atirou duas vezes, atingindo o rosto da adolescente.

Na ocasião, a vítima foi encaminhada à Santa Casa de Campo Grande em estado grave. Torres é casado e na época a esposa dele estava grávida de seis meses.

No dia seguinte, o Batalhão de Choque da Polícia Militar localizou Adalmir numa fazenda, de propriedade do irmão dele, na saída para Rochedo em Campo Grande.

Ele estava portando a arma calibre .38 usada no crime, com três munições intactas e três deflagradas. Questionado pelos policiais, ele assumiu ter atirado na adolescente. Torres foi preso e encaminhado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro da Capital, onde foi autuado por porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, tentativa de feminicídio, violência doméstica e familiar. Ele tem outras passagens pela polícia, incluindo duas tentativas de homicídio em 2012 e um homicídio em 2013.