Ponte que liga Jiboia a Anhanduí interditada para veículos pesados após trator quase cair

O assentado voltava de Anhanduí onde foi comprar farelo que usa na alimentação do gado.

Ponte que liga Jiboia a Anhanduí interditada para veículos pesados após trator quase cair - Foto: Divulgação

Diante do risco iminente de desabamento, está interditada para veículos pesados, a ponte sobre o Córrego Jiboia no travessão que é a principal ligação do assentamento Jiboia e propriedades vizinhas com o Distrito de Anhanduí. Na manhã desta sexta-feira (18) parte do assoalho da ponte cedeu sob o peso de uma carretinha carregada de farelo de soja que era puxada pelo trator do assentado Paulo Paraná, que tomou um susto.

O assentado voltava de Anhanduí onde foi comprar farelo que usa na alimentação do gado. Foi necessário pedir socorro ao proprietário de uma fazenda vizinha que deslocou um trator para puxar a carretinha “entalada”. Ele diz que se assustou e pensou que cairia dentro do córrego.

Se a ponte não for reconstruída até o dia 18 de fevereiro, quando começa o ano letivo, os alunos da região serão prejudicados, porque sobre a estrutura, só é possível passar (com cuidado) com carro de passeio ou motocicleta. O ônibus do transporte escolar terá de fazer um desvio de 20 quilômetros para chegar a escola do assentamento.

Segundo a assentada Jaqueline Domingues, esta ponte é estratégica para a região porque reduz em 20 quilômetros o acesso ao distrito de Anhanduí, onde muitos pequenos produtores levam para vender suas produções de queijo e pimenta, frango caipira, além de adquirir farelo de soja para o gado. “Por este caminho são 14 quilômetros até Anhanduí, se for pela MS-258 no Capão Seco, o trajeto chega a 34 quilômetros”, explica.

Os grandes fazendeiros da região também usam o travessão para escoamento da produção de soja e milho. Há também queixas contra as condições de tráfego dos travessões. O trajeto de 14 quilômetros até Anhanduí demora mais de uma hora.