Sejusp recorrerá à Força Nacional para fortalecer policiamento em MS

O objetivo é acionar uma unidade da Força que está em Ponta Porã, por enquanto, apenas à disposição da Polícia Federal.

Força participaria de operações para conter avanço das facções na linha internacional - - Foto: José Cruz/Agência Brasil

A Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) vai acionar o Governo Federal, com intuito de receber apoio da Força Nacional de Segurança Pública no combate ao crime organizado na fronteira com o Paraguai. O objetivo é acionar uma unidade da Força que está em Ponta Porã, por enquanto, apenas à disposição da Polícia Federal.

Segundo secretário-adjunto da Sejusp, coronel Ary Carlos Barbosa, a Força participaria de operações para conter avanço das facções na linha internacional. No entanto, isso depende de alteração de decreto assinado pelo ministro de Justiça e Segurança Sérgio Moro. “Vamos discutir com o Governo do Estado e ver como podemos acionar o Governo Federal”, explicou.

Por enquanto, a corporação participa de ações em apoio à PF, como uma realizada no dia 7 de dezembro do ano passado, em Ponta Porã, que resultou na prisão do núcleo de ação do narcotraficante brasileiro Jarvis Chimenes Pavão. Na ação, os policiais impediram ainda plano de vingança orquestrado por outro traficante, identificado como Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, de 36, que liderava frente de retaliação do Primeiro Comando da Capital (PCC).

OPERAÇÃO

O coronel lembra que, neste momento, aproximadamente 150 policiais da Sejusp participam de operação por tempo indeterminado em Ponta Porã. Além dos agentes lotados no próprio município, também participam policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e Batalhão de Choque da Polícia Militar, Departamento de Operações de Fronteira (DOF), Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras) e Grupamento de Policiamento Aéreo (GPA).

Junto com operações da Polícia Nacional do Paraguai, tal ação fecha o cerco para traficantes que atuam dos dois lados da fronteira. Por este motivo, acredita o coronel, os criminosos se sentem acuados e, acreditando que serão flagrados a qualquer momento, se arriscam e transportam carregamento sem muito planejamento. Foi justamente o que levou à apreensão de 940 quilos de cocaína nesta madrugada.

O flagrante ocorreu na BR-463, em Ponta Porã. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a droga foi despachada às pressas, em único veículo, porque os traficantes haviam sido forçados à deixar o Paraguai em razão de fiscalizações da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad). Por este motivo, o carregamento estavam em uma BMW X5 e não escondido em meio a cargas de outros produtos, ou em fundos falsos de carretas. A carga pertenceria ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Barbosa reforça que o policiamento reforçado muda até mesmo os tipos de tráfico. Ao invés de usarem batedores e preparem os caminhões, como de costume, e passam a apostar no tráfico cavalo doido, que consiste em arriscar grandes carregamentos de uma só vez. “A tendência é de que a sensação de segurança aumente ainda mais, pois estamos em reunião com a Polícia Nacional, articulando ações conjuntas. Ontem estive reunida com um novo comissário na fronteira e hoje houve nova reunião”.