Com aterro, mercados, restaurantes e indústrias vão pagar pela coleta

O procedimento está previsto na legislação federal de resíduos sólidos.

Com aterro, mercados, restaurantes e indústrias vão pagar pela coleta - Foto: Crislaine Jara/Região News

A parte de fevereiro, com a entrada em funcionamento do aterro sanitário, a Morhena Ambiental, deixará de coletar o lixo de pelo menos 30 grandes geradores lixo. São supermercados, restaurante e industrias que gerem mais de 50 quilos de resíduos por dia. Estes estabelecimentos terão de apresentar um plano de gestão dos resíduos, que exigirá a contratação de uma empresa para fazer a coleta, além de pagar para o descarte no aterro.

O procedimento está previsto na legislação federal de resíduos sólidos. No próprio contrato que a Morhena Ambiental firmou com a Prefeitura prevê que a empresa vai identificar estes geradores e a partir do funcionamento do aterro, os geradores serão notificados. Transcorrido um certo período a Morhena suspenderá a coleta.

Atualmente as empresas pagam um valor mensal, independente do lixo que produzam, conforme o número de funcionários. As que tem até 5 funcionários, R$ 20,25: de seis a 10 funcionários, R$ 30,38; de 11 a 50, R$ 45,55; de 51 a 100, R$ 68,33 e as com mais de 100 empregados, R$ 102,49.