Não é apelido! Logan Wolverine disputa campeonato pela seleção brasileira de polo aquático

Jogador com nome de X-Men está na equipe do Brasil que busca vaga no Mundial de Desportos Aquáticos na Coreia do Sul.

- Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA

O Brasil está disputando nesta semana, em São Paulo, a Copa Uana. Um pan-americano de polo aquático que classifica as duas primeiras seleções para o Mundial de Desportos Aquáticos, em Gwangju, na Coreia do Sul, em julho. Missão difícil frente à seleções mais tradicionais como Estados Unidos e Canadá. No entanto, ao menos no nome, a seleção brasileira masculina conta com um jogador que chamou a atenção antes mesmo de a competição começar.

Logan Wolverine! Isso mesmo, o nome do touca número 2 da seleção brasileira é igual ao do mutante famoso nas histórias em quadrinho e, mais recentemente, pelos filmes X-Men. Carioca de 24 anos, Logan Wolverine de Oliveira Cabral começou no polo aquático aos 14 anos, no Botafogo, e hoje atua pelo Fluminense. O nome é uma ideia do pai, que desejava homenagear um de seus heróis da juventude quando nascesse o primeiro filho.

- Eu queria colocar outro personagem: Conan, o Bárbaro. Eu também faço coleção dos quadrinhos desse personagem, muito antes do filme do Arnold Schwarzenegger. Mas entre Conan e Logan, minha esposa ganhou e pediu para ser Logan Wolverine – explicou Ricardo Borracha, pai do jogador da seleção e que também tem uma filha, mais velha que Logan, a Ohana, que não é homenagem a nenhuma heroína.

 Essa foi a primeira convocação de Logan Wolverine para a seleção brasileira. O técnico da equipe nacional, André Avallone, disse que já estava acostumado com o nome do atleta, porque o conhece desde as categorias de base. Mas recorda que no início achava que era apelido.
 

- Num primeiro momento, confesso, foi um susto: é nome ou apelido? Não, não. Tá no RG dele. Logan Wolverine. No começo você até acha engraçado, mas se acostuma. Logan Wolverine. Com W mesmo. Um super-herói – brincou Avallone.

Então, se é super-herói, tem superpoderes?

- Ele é determinado. Volta machucado para casa, porque é muita cotovelada e soco que eles levam sem querer, e nunca chegou aqui reclamando de nada. Já chegou aqui com olho e nariz arrebentado, mas nunca reclama de nada. Continua na batalha – afirmou o pai.

- Ele é muito forte, o Logan é muito forte – definiu o técnico sobre o atleta de 1,90m.

No entanto, ninguém melhor que o próprio Logan Wolverine para falar se a força ou o poder de regeneração, como o do xará X-Men, são características de um herói do polo aquático.

- Superpoder é a minha vontade de querer ganhar sempre. É entrar ali com foco e objetivo. Sempre querer o melhor. A mão grande também ajuda. Segura bem a bola, com aderência. Mas é a garra e a vontade de querer ganhar sempre que valem, né - disse, com um trocadilho involuntário sobre a arma que ambos os Wolverines têm: a garra.

Ele, porém, ainda não conseguiu ajudar a seleção brasileira contra os principais “inimigos” desta Copa Uana, em São Paulo. Na primeira rodada, o Brasil perdeu para o Canadá e, na segunda, para os Estados Unidos. A equipe venceu a Argentina nesta quinta e pega de novo os canadenses nas semifinais desta sexta-feira. Já no feminino, são três seleções na busca pela classificação: Brasil, Canadá e Cuba (os Estados Unidos, atuais bicampeões olímpicos e mundiais, já estão classificados para Gwangju). As vagas femininas para o Mundial também sairão nesta sexta, na piscina do Sesi Vila Leopoldina, na capital paulista. O Canadá já está classificado para o Mundial, entre as mulheres, e brasileiras e cubanas disputam a vaga restante.

Entre os homens, lá no Sesi estará o jogador com a touca número 2, rindo das próprias histórias pelas quais já passou, como a que precisou se apresentar pessoalmente a uma mesária no Rio, com o RG em mãos, para ela acreditar que o então jovem jogador tinha mesmo nome de super-herói. Hoje, Logan leva na boa as brincadeiras e quer fazer seu nome ficar conhecido também no esporte.

- Tem Negão, tem Macarrão, esses apelidos aí, e, às vezes, você nem sabe o nome da pessoa. O meu, não. Ficam chamando de Logan, Logan, Logan, aí depois falam “qual é seu nome mesmo?”. Meu nome é Logan, assim mesmo, Logan Wolverine.