Contratações no FCO foi recorde em 2018: MS fechou com R$ 2,4 bilhões

A maior parte dos recursos, R$ 7,6 bilhões, foi destinada para o setor rural e R$ 1,9 bilhão para o empresarial.

- Foto: Reprodução

Ao longo de 2018, o Banco do Brasil desembolsou R$ 9,5 bilhões em operações com empresários e produtores rurais, utilizando recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), dos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e o Distrito Federal. O valor é recorde na linha, que existe desde 1989, ano da criação do Fundo. A maior parte dos recursos, R$ 7,6 bilhões, foi destinada para o setor rural e R$ 1,9 bilhão para o empresarial.

Mato Grosso do Sul fechou o ano com 100% dos recursos do FCO contratados, totalizando R$ 2,44 bilhões, que estão sendo devidamente aplicados na instalação de novas empresas ou expansão de novos empreendimentos nos setores rural e empresarial sul-mato-grossense. O Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO (Ceif-FCO) aprovou 4.155 projetos, sendo 3.114 no setor rural e 1.041 na área empresarial.

“Esse resultado é fruto das ações do Governo do Estado junto à Sudeco, junto ao banco e, principalmente junto ao setor produtivo, que demonstra a sua confiança em nosso trabalho, convertendo em mais investimentos para Mato Grosso do Sul”, comentou o secretário Jaime Verruck, da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), que preside o Ceif-FCO. Ele adiantou que foi disponibilizado pelo Ministério da Integração para o Estado, em 2019, R$ 2,26 bilhões.

Operações: um milhão

No segmento campo, o FCO Rural, os recursos são contratados para viabilizar a aquisição de tratores, máquinas rurais, reformas de pastagens e construção de silos, entre outras finalidades. A linha está disponível para produtores rurais (pessoas físicas ou jurídicas) que desenvolvam suas atividades agropecuárias na região Centro-Oeste, suas associações e cooperativas de produção. 

O prazo para pagamento é de até 20 anos, com carência de até 12 anos, a depender da atividade e do item financiado. O limite financiável é de até 100% do valor proposto, a depender do porte do produtor e o teto de financiamento é de R$ 30 milhões.

Já nas cidades, os recursos do FCO Empresarial são utilizados por empresários para novos investimentos, obras de infraestrutura e capital de giro nos setores industrial, agroindustrial, mineral, de turismo, de infraestrutura econômica e de comércio e serviços na região Centro-Oeste.

Podem ser financiados até 100% dos bens, a depender do porte e da região em que se encontra o empreendimento, com prazos que podem chegar a até 20 anos (incluída carência de três meses até, no máximo, cinco anos), determinados em função do projeto do cliente, de sua capacidade de pagamento e da linha de financiamento utilizada, conforme programação anual do Fundo. 

Até dezembro de 2018, foram registrados mais de R$ 80 bilhões em contratações com recursos do FCO no período de 1989 a 2018. Esse montante compreende mais de 1 milhão de operações contratadas.