Brasil piora em ranking de 2018 dos países menos corruptos

País caiu 9 posições e ficou em 105º no estudo da Transparência Internacional com relação a 2017.

- Foto: Monique Renne

O Brasil piorou e caiu 9 posições no estudo elaborado pela Transparência Internacional que avalia a percepção da corrupção no setor público em 180 países.

Neste ano, a pontuação brasileira recuou para 35 e o país passou a ocupar 105º lugar no ranking, o que representa o pior resultado desde 2012.

O Brasil vem caindo no Índice de Percepção da Corrupção (IPC) desde 2014. Em 2017, o país estava na 96ª colocação. Em 2016, o Brasil ficou em 79º.

 

No ranking deste ano, o Brasil ficou empatado com Argélia, Armênia, Costa do Marfim, Egito, El Savador, Peru, Timor Leste e Zâmbia.

Somália, Síria, Sudão do Sul, Iêmen e Coreia do Norte estão entre os países mais corruptos.

A Dinamarca lidera o ranking com menor percepção de corrupção, com 88 pontos. Entre os 10 países melhores colocados, sete são nações europeias. O Canadá é o único representante das Américas no top 10.

Veja a lista dos países que tiveram melhor desempenho:

  1. Dinamarca 88 pontos
  2. Nova Zelândia 87 pontos
  3. Finlândia 85 pontos
  4. Singapura 85 pontos
  5. Suécia 85 pontos
  6. Suíça 84 pontos
  7. Noruega 84 pontos
  8. Holanda 82 pontos
  9. Canadá 81 pontos
  10. Luxemburgo 81 pontos

Nota

O IPC pontua e classifica os países com base no quão corrupto o setor público é percebido por especialistas e executivos de empresas. Ele analisa aspectos como propina, desvio de recursos públicos, burocracia excessiva, nepotismo e habilidade dos governos em conter a corrupção.

Os países recebem notas de 0 a 100 – sendo 0 igual a um alto grau de percepção da corrupção, e 100, um alto grau de percepção de integridade no setor público.